26.1 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 25, 2021

Brasil fica para trás em exportações de maior complexidade

Houve uma interrupção na trajetória contínua de perda de posição das exportações do Brasil no ranking de complexidade econômica que ocorreu entre 1995 e 2008. Depois de termos ocupado a 25ª posição em 1995, recuamos à 48ª colocação em 2008 e para o 50º lugar em 2014. Os dados mais recentes, de 2018, mostram que o país está na 49º posição.

A China fez o caminho inverso. A líder global na exportação de manufaturados registrou avanço ininterrupto no ranking de complexidade entre 1995 e 2014, passando da 46ª para a 18ª posição, na qual se manteve em 2018.

Ou seja, enquanto em 1995 a China precisaria subir 21 posições para alcançar o Brasil, em 2018 era o Brasil que precisaria ascender 31 posições para alcançar a China. A análise consta da Carta Iedi, do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial.

“Embora a China tenha se tornado o principal mercado de destino de exportações brasileiras de commodities desde 2009, sua consolidação como produtora e exportadora de produtos manufaturados tem afetado negativamente a indústria brasileira por dois canais: a invasão de importados chineses no nosso mercado interno e o crescimento das exportações chinesas para as três principais regiões de destino das vendas externas brasileiras de bens manufaturados – Mercosul (Argentina, Uruguai, Paraguai), Aladi (Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Peru, Venezuela) e Nafta (Estados Unidos, Canadá e México)”, ressalta a Carta.

O Iedi destaca a importância de alavancar a competitividade da estrutura produtiva brasileira, “o que requer não somente preços macroeconômicos (taxas de juros e de câmbio) em patamares favoráveis e estáveis para as exportações, mas também reformas estruturais, como a tributária, e políticas industrial, tecnológica e ambiental que respondam aos desafios das novas tecnologias e da mudança climática”.

Instrumentos mais amplos de financiamento às exportações e integração com outros mercados por meio de acordos comerciais possibilitariam uma abertura horizontal, transparente e gradual, defende a entidade.

Leia mais:

Dólar sobe após dados sobre corte em empregos

Cenário externo estimula alta no mercado brasileiro

Artigos Relacionados

Indústria rejeita retrocesso à jurássica lógica colonialista

Entidades criticam 'visão rasa' de que Brasil deveria se concentrar na agroindústria.

Reajuste salarial no Brasil ficou abaixo da inflação

Em dezembro, o reajuste salarial no Brasil ficou abaixo da inflação (-0,9%). É o que revela o boletim Salariômetro, divulgado nesta sexta-feira pela Fundação...

Proposta do governo é armadilha para caminhoneiros

Categoria ameaça parar dia 1º, o que poderia afetar distribuição de vacinas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.