Brasil gerou R$ 84 bilhões em produtos energéticos da biomassa em 2018

Produção de energia elétrica oriunda da biomassa representou 9% de toda eletricidade produzida no Brasil.

Em 2018, a produção nacional dos insumos naturais energéticos da biomassa foi de 91,3 milhões de toneladas equivalentes de petróleo (tep). De 2015 a 2018, o crescimento médio da produção de insumos naturais energéticos da biomassa foi de 1,4%. As informações são das Contas Econômicas Ambientais da Energia: Produtos da Biomassa, resultado de uma cooperação entre o IBGE e a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), com o apoio, da Agência Internacional de Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ GmbH), por intermédio do Ministério do Meio Ambiente. A pesquisa, divulgada nesta quinta-feira, pelo IBGE, mostra os recursos e usos dos produtos energéticos da biomassa no Brasil.

A produção do biodiesel teve o maior crescimento médio no período (10,7%), com lixívia (solução aquosa de carácter básico, de hidróxidos, carbonatos e sulfuretos de metais alcalinos, usada na produção de sabão, de outros sais de potássio, em pilhas níquel-ferro e em pilhas alcalinas), 6,5% e álcool (3%) a seguir. A lenha também teve aumento (0,9%).

A eletricidade é um dos produtos resultantes do uso da transformação dos produtos energéticos da biomassa. Em 2018, a produção de energia elétrica oriunda dos produtos energéticos da biomassa foi de 54,4 mil gigawatt-hora (GWh) e representou cerca de 9% de toda a energia elétrica produzida no Brasil. Os dois insumos mais utilizados para a geração de eletricidade, em 2018, foram a biomassa da cana e a lixívia, sendo que, do total dos produtos energéticos utilizados para essa finalidade, 62,2% foi biomassa da cana (essencialmente do bagaço) e 27,0% lixívia.

Segundo o IBGE, em 2018, do uso total de produtos energéticos da biomassa pelas famílias, 61,1% foi de álcool; 33,5%, de lenha; 3,0%, de eletricidade derivada de produtos energéticos da biomassa; 1,7%, de carvão vegetal; e 0,7%, de biodiesel.

O uso per capita de lenha pelas famílias apresentou um crescimento médio de 3,7% de 2015 para 2018. Já o do álcool caiu 0,8% no período.

De acordo com o instituto, o álcool é mais usado pelas famílias (80,9%) do que pelas atividades econômicas (19,1%). Com o biodiesel, ocorre o contrário: 96,3% do uso é pelas atividades econômicas.

Leia também:

APM alerta para redução de médicos e risco de desassistência na saúde

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Semana promete com agenda econômica importante lá fora

No Brasil, os destaques ficam com a percepção de que as rachaduras no Teto de Gastos são irrecuperáveis.

IPC-S recuou em quatro capitais de maio para junho

Segundo a FGV, a maior queda foi registrada no Rio de Janeiro.

Ford Brasil: Centro global de exportação de serviços de engenharia

Projetos de ponta voltados ao futuro da mobilidade, como veículos elétricos, autônomos e conectados. 

Últimas Notícias

Semana promete com agenda econômica importante lá fora

No Brasil, os destaques ficam com a percepção de que as rachaduras no Teto de Gastos são irrecuperáveis.

Produção mensal da Tesla bate recorde em junho

A Shanghai Gigafactory da montadora norte-americana Tesla retornou à capacidade total de produção em junho, com a produção mensal da empresa atingindo um recorde, informou no domingo o Shanghai Securities News, administrado pela Xinhua.

Feriado nos EUA deve reduzir liquidez global nesta segunda-feira

Hoje é Dia da Independência no país; na Europa, principais Bolsas operam em alta e na Ásia, fecharam sem direção única.

IPC-S recuou em quatro capitais de maio para junho

Segundo a FGV, a maior queda foi registrada no Rio de Janeiro.

Lei das Estatais: organizações se mobilizam contra possível alteração

Documento enviado aos três Poderes defende diretrizes de governança e conquistas recentes com aplicação da Lei 13.303/2016.