Brasil já importa laranjas egípcias

O Brasil abriu em maio do ano passado o seu mercado para os citros do Egito e as primeiras exportações da fruta do país árabe ao Brasil já estão acontecendo. O produto tem redução de imposto de importação para entrar no mercado dos países do Mercosul em função do acordo de livre comércio do bloco sul-americano com o Egito. A tarifa será zerada em setembro deste ano.

De acordo com a nova consulesa comercial do Egito no Brasil, Nashwa Bakr, duas empresas egípcias já exportaram laranjas ao Brasil desde a abertura do mercado.

“Uma enviou nove contêineres, e a outra, 15 contêineres, e essa última planeja enviar mais 25 contêineres até o final de maio” disse ela, que assumiu o posto há pouco mais de uma semana no Escritório Comercial do Egito em São Paulo. “Estamos preparando uma campanha com os importadores brasileiros e estamos entrando em contato com supermercados como Pão de Açúcar e Dia”, disse Bakr à ANBA.

O Egito produziu três milhões de toneladas de laranjas no ano passado e exportou metade da produção total, ou 1,5 milhão de toneladas, se consolidando como o maior exportador de laranjas do mundo, informou Bakr. “Os maiores destinos das laranjas egípcias foram China, União Europeia e países árabes”, disse. A maior parte do cultivo de laranjas fica na região Norte do Egito, próximas ao Rio Nilo e ao Mar Mediterrâneo, conhecida como Delta do Nilo.

Segundo a consulesa, as laranjas egípcias são bem diferentes das brasileiras. “Nossas laranjas não são como as suas, que são mais usadas para suco. Temos dois tipos de laranjas, a Valencia e a Neval, mais usadas para comer do que para fazer suco, o sabor é diferente, e o Brasil não produz esses tipos de laranja, então são produtos diferentes e complementares” afirmou Bakr.

Os maiores concorrentes da laranja egípcia no Brasil são EUA, China, Chile e Argentina. “Mas fomos o maior exportador de laranjas no ano passado, então esperamos que em dois ou três anos o Brasil seja o maior importador de laranja egípcia” disse ela, avaliando positivamente também o desempenho do Mercosul como um todo, já que o acordo de livre comércio contempla os quatro países do bloco (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai).

Segundo comunicado divulgado pela embaixada do Egito em Brasília, o Ministério do Comércio e Indústria do Egito vem atuando em cooperação com a Embaixada do Brasil no Cairo para divulgar a laranja egípcia e as isenções aduaneiras previstas no acordo de livre comércio com o Mercosul.  O material informa que os cítricos do Egito estão chegando ao mercado brasileiro e que os produtos de exportação seguem padrões internacionais de qualidade e têm aplicação de sistemas de rastreabilidade nas etapas de cultivo, produção, embalagem e vendas internacionais. “Sendo uma das ferramentas para o sucesso da política de exportação do Egito”, diz a nota.

O comunicado informa que a laranja egípcia tem boa aceitação no Brasil.

“Importadores brasileiros apreciam as laranjas egípcias, que se caracterizam por alta qualidade e preços competitivos. O mercado brasileiro é formado por 209 milhões de consumidores, sendo considerado o maior mercado da América do Sul”, diz a nota.

 

Agência de Notícias Brasil-Árabes

Leia mais:

Leilão da BR-153 será o primeiro em no modelo híbrido

Entidades pedem ao STF fim da cédula de R$ 200

Artigos Relacionados

Lula livre. Até quando?

Jurista: Necessidade de proteger Moro e os procuradores da Lava Jato.

Produtividade na indústria cai com menor produção na pandemia

Para 2021, as perspectivas são melhores, em razão do início da vacinação da população.

Demanda por bens industriais cresceu 0,6% em janeiro

Ipea apontou avanço de 6,6% no trimestre móvel encerrado no primeiro mês de 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Lula livre. Até quando?

Jurista: Necessidade de proteger Moro e os procuradores da Lava Jato.

Produtividade na indústria cai com menor produção na pandemia

Para 2021, as perspectivas são melhores, em razão do início da vacinação da população.

Demanda por bens industriais cresceu 0,6% em janeiro

Ipea apontou avanço de 6,6% no trimestre móvel encerrado no primeiro mês de 2021.

Aumenta consumo de pornô por público feminino

Relatório de site de entretenimento adulto revela que 39% do acessos são de mulheres.

Abertura de empresas tem alta de 13,4% em novembro

Segundo Serasa, sociedades limitadas impulsionaram índice; comércio teve alta estimulada por Black Friday e festas de fim de ano.