Brasil precisa de uma agenda positiva de reformas e concessões

Tudo pode piorar. A expressão bastante empregada pelos brasileiros é válida para o contexto atual do país. Na opinião do economista João Beck, especialista em investimentos e um dos sócios da BRA, escritório credenciado da XP, se não tivesse havido uma política de estímulo financeiro na pandemia estaríamos em uma situação bem mais delicada. A recessão seria mais grave.

Beck disse nesta sexta-feira ao Monitor Mercantil que o Brasil gastou muito dinheiro na pandemia, mas diferentemente das potências globais o país não tem uma impressora infinita. “Cada real gasto desvaloriza nossa moeda e aumenta a taxa de juros exigida por investidores para financiar o governo”, observou o economista que destacou à reportagem alguns pontos desse momento em que o país se encontra.

“O mercado financeiro moderno aprendeu a lidar com diversas crises. Mas nessa, tivemos que voltar aos livros e desenhar uma nova forma de agir, principalmente em questões de saúde”, destacou o economista.

Em termos de produção nacional de produtos e serviços, a pandemia fez um grande estrago na economia brasileira em 2020. O Produto Interno Bruto do Brasil (PIB) caiu 4,1%, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A atividade econômica registrou a maior queda desde o início da série histórica do IBGE, em 1996.

A queda interrompeu o crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, quando o PIB acumulou alta de 4,6%. Entre os setores mais impactados estão Serviços (-4,5%) e Indústria (-3,5%). Houve alta somente no setor de Agropecuária (2%).

Com o tombo histórico, o Brasil saiu do ranking das 10 maiores economias do mundo e caiu para a 12ª colocação, segundo análise da agência de classificação de risco Austin Rating. No ano de 2019, o Brasil ficou na 9ª posição.

Para 2021, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) projeta crescimento de 3% do PIB, com queda estimada de 0,5% no primeiro trimestre do ano, na comparação com ajuste sazonal. Os dados foram divulgados em 30 de março. Veja abaixo a entrevista completa com João Beck:

Com a pandemia observamos uma oscilação grande dos mercados financeiros em todo o mundo. Como avalia o que acontece no Brasil?
– O que aconteceu no Brasil está em linha com qualquer país de moeda fraca. Somos um país periférico. Diferente de uma potência que consegue imprimir sem danos – até agora – a sua própria moeda e ainda consegue um serviço da dívida ainda menor.
O país gastou muito dinheiro, mas diferente das potências globais, não tem uma impressora infinita. Cada real gasto desvaloriza nossa moeda e aumenta a taxa de juros exigida por investidores para financiar o governo. Ano passado, trocamos queda no PIB por dívida. Teríamos uma recessão muito mais grave se não fosse a política de estímulos. O problema é que agora temos que pagar essa conta. Ou com contenção de gastos ou com crescimento. O Brasil precisa de uma agenda positiva de reformas e concessões.
O mercado financeiro moderno aprendeu a lidar com diversas crises. Mas nessa, tivemos que voltar aos livros e desenhar uma nova forma de agir, principalmente em questões de saúde.
Como avalia as declarações erráticas e a condução da pandemia pelo governo federal e que têm feito eco muito negativo no exterior?
– No início da pandemia, o discurso do presidente parecia até estratégico. Já que se previa um desemprego alto pela frente, representar esse público vocalizando contra os lockdowns poderia jogar a favor dele. Mas na sequência, o discurso tomou um caminho estranho: presidente sem usar máscara adotando discurso a diagnósticos não comprovados
As decisões do Banco Central na condução do câmbio, por exemplo, são apropriadas ou deveria haver ajustes?
– Todo grande movimento de juros do Banco Central tem críticas. O Banco Central não tem um mapa perfeito dos resultados na economia. Ele mexe um pouco na engrenagem através da taxa de juros e observa. Mexe de novo e observa. É um trabalho dinâmico de ações e revisões. A economia é muito dinâmica com diversos novos vetores aparecendo a todo momento. O importante é o compromisso com a moeda que é a meta de inflação.

Como observou o comportamento do mercado esta semana, de 12 a 16 de abril. Houve alguma surpresa?
– Surfamos um pouco – bem pouco – a onda de otimismo lá fora. E os efeitos da alta das commodities assim como a alta do dólar.

Leia também:

Renner confirma oferta pública primária de ações

Artigos Relacionados

B3 lucra R$ 1,25 bi no trimestre, aumento de 22,5%

“As pessoas têm movimentado as suas carteiras em artigos de maior risco, mas quando olhamos mais adiante ainda há incertezas sobre a retomada econômica”....

Andrade Gutierrez diz que irá alienar os papéis da CCR

Os papéis da companhia de infraestrutura CCR puxavam as altas da B3 nesta sexta-feira após a Andrade Gutierrez Participações S.A. (AG Participações) anunciar intenção...

De olho na Eletrobras, setor privado não investe

Ação da estatal vale quase metade do que valia há 11 anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Estado do Rio registra 68,8 mil novos MEIs

Alimentação fora do lar foi o segmento com mais abertura de empresas, com 10,4 mil novos microempreendedores.

Volume de vendas do varejo restrito regrediu em março

'Recuo foi acima do esperado por nós (-3,4%) e pelo mercado (-5,1%)', diz Felipe Sichel.

Quase 80% não trabalham totalmente remoto na pandemia

Segundo levantamento sobre adaptação ao modelo de teletrabalho, 49,7% dos entrevistados estiveram na empresa semanalmente.

Tunísia pretende exportar 80 mil toneladas de frutas

País produz pêssegos, nectarinas, damasco, ameixa e estima aumento de 7% na safra de frutas em 2021; grandes importadores são Líbia, França e Itália.

Rio acaba com toque de recolher

Novas medidas têm validade até o dia 20 de maio; medidas podem ser revistas.