Brasil real

A pesquisa do professor Márcio Pochmann, da Unicamp, revelando que 94% dos empregos criados no primeiro mandato do presidente Lula não pagam mais de dois salários mínimos e que, acima de cinco salários, o saldo é negativo em cerca de 5%, tem sua materialização mais visível nos pontos em que são realizados concursos públicos Brasil a fora. Enquanto do lado de dentro, dezenas de milhares de brasileiros buscam um emprego de nível superior ou médio, do lado de fora, uma quantidade tão expressiva de camelôs, que vendem de canetas a papel almaço, reflete o subemprego no país.

Logro
“O aquecimento global não se deve à contribuição humana de dióxido de carbono (CO2). Este é, de fato, o maior logro da história da ciência. Estamos perdendo tempo, energia e trilhões de dólares, criando medo e consternação desnecessários sobre um assunto sem qualquer justificativa científica. Por exemplo, o Ministério do Meio Ambiente do Canadá se jacta de ter gasto US$ 3,7 bilhões nos últimos cinco anos em iniciativas referentes às mudanças climáticas, quase tudo em propaganda para tentar defender uma posição científica indefensável, enquanto, ao mesmo tempo, fechava estações meteorológicas e deixava de atingir as metas de poluição estabelecidas por lei.”
A denúncia, em tom de desabafo, foi feita pelo Dr. Timothy Ball, um dos decanos da climatologia no Canadá, e reproduzida pelo boletim eletrônico Resenha Estratégica.

Idade do Gelo
“O mundo tem esquentado desde 1860, o nadir de um período frio conhecido como a Pequena Idade do Gelo (PIG). Estas mudanças climáticas se encontram perfeitamente dentro da variabilidade natural e são facilmente explicáveis por mudanças no Sol”, completa Ball.

Novo clima
Há 30 anos, a discussão era oposta: sobre o “resfriamento global”. “O resfriamento global confronta a Humanidade com o desafio social, político e adaptativo mais importante com o qual temos que lidar em 10 mil anos. O que você tem em jogo nas decisões que tomarmos a respeito é da maior importância: a nossa sobrevivência, a dos nossos filhos e a da nossa espécie”, escreveu Lowell Ponte, em 1976.
Se substituirmos “resfriamento” por “aquecimento”, o parágrafo acima poderia ser utilizado por qualquer ONG catastrofista, atualmente.

Mais por menos
O setor de brinquedos amargou a queda de 3,5% no preço médio de 2005 para 2006, segundo a Fipe. Para manter o faturamento no mesmo patamar de 2005, os fabricantes produziram 4% mais em volume. Em 2007, o setor pretende faturar 4% a mais que o ano passado. A feira Abrin, que acontece no mês de abril, em São Paulo, pode ser um termômetro dessa tímida retomada. O evento prepara o mercado para o Dia das Crianças e o Natal, que juntos representam 70% do faturamento anual.

Comunicação socialista
O PSOL do Rio lança, no próximo dia 29, às 18h30, seu Núcleo de Comunicação, com o pertinente debate sobre as relações entre Estado e mídia, na Escola de Comunicação da UFRJ, com uma palestra do jornalista e professor Dênis Moraes. O objetivo do núcleo, ainda em fase de gestação, é construir “um programa socialista de comunicação”, o que inclui a colaboração de não-filiados ao partidos, mas atentos ao tema.

PAC
No próximo dia 14, a partir das 15h, o Conselho Regional de Economia (Corecon-RJ) promove, no auditório da OAB, debate sobre as reais possibilidades do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Entre os palestrantes, Márcio Pochmann e Plínio de Arruda Sampaio Júnior, ambos da Universidade de Campinas. Na oportunidade, será entregue o Prêmio Corecon-RJ de Jornalismo Econômico 2006; Rogério Lessa, do MONITOR MERCANTIL, é um dos agraciados. O auditório da Ordem dos Advogados do Brasil fica na Avenida Marechal Câmara, 150/4º andar.
No dia 21, no mesmo local, o Corecon-RJ vai discutir o impacto do PAC em nível regional. Para tanto, estão previstas palestras da subsecretária de Comércio e Serviços do Estado do Rio de Janeiro, Dulce Ângela Arouca Procópio de Carvalho, e do economista da Auditoria Cidadã da Dívida, Rodrigo Ávila. Serão fornecidos certificados de presença.

Artigo anteriorCrítica ideológica
Próximo artigoSem artifícios
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ISM Manufacturing teve a maior leitura desde fevereiro de 2018

Expectativa é de melhora continuada dado o avanço da vacinação, bem como o estímulo fiscal projetado para ser aprovado em meados de março.

Rede estadual de ensino do Rio volta hoje às aulas

Alunos terão aulas remotas e presenciais, com turmas em sala de aula em dias alternados em função da pandemia.

Mercado interno sobe seguindo bom humor global

Exterior avança após pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão ser aprovado pela Câmara dos Representantes dos EUA.

Aepet recomenda não migrar para o Plano Petros 3

Petros anunciou que começa em 2 de março o período de opção pelo PP3 para ativos e assistidos dos PPSP-NR e PPSP-R.

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.