32.5 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 25, 2021

Brasil teve piora no desempenho exportador em 2019

A corrente de comércio (exportações mais importações) recuou 4,6% entre 2018 e 2019. Tanto as exportações como as importações registraram queda de 6,4% e 2,1%, em valor, e o superávit da balança comercial caiu de US$ 58 bilhões para US$ 46,7 bilhões, nesse mesmo período. Observa-se que a queda no valor das exportações decorreu de uma retração nos preços (-5,0%) e no volume (-1,8%). No caso das importações, os preços caíram (-4,4%), mas o volume cresceu (+2,4%).

Duas questões são destacadas nesse relatório do Indicador de Comércio Exterior. O Indicador Comércio Exterior (Icomex), índice mensal da Fundação Getúlio Vargas (FGV). A primeira se refere a como o desempenho dos três setores (agropecuária, extrativa e transformação) contribuíram para a queda nos fluxos exportados e importados e as possíveis implicações do acordo China e EUA para a agropecuária. Em valor, as exportações dos três setores diminuíram (-8,3%, agropecuária, -8,5%, transformação) ou ficaram relativamente estagnadas (aumento de 0,6% da extrativa). No caso das importações, o setor de agropecuária aumentou suas compras (+4,8%) e tanto a extrativa (-6,5%) e a transformação registraram queda.

No entanto, quando se observa a contribuição de cada setor para o superávit comercial, mesmo com queda nas exportações, a agropecuária seguida da extrativa são as principais fontes de aumento das reservas internacionais via balança comercial: US$ 36,4 bilhões e US$ 35,3 bilhões, respectivamente. A indústria de transformação apresentou déficit de US$ 25,6 bilhões.

A análise dos índices de preços e volume mostra que para 2020, as perspectivas indicam um menor superávit comercial em todos os setores, com possível exceção da extrativa

A piora do desempenho das exportações atingiu todos os setores da indústria. Na agropecuária, o crescimento passou de positivo (18,8%, entre 2018/2017) para negativo (-8,3%, entre 2019/2018), em valor. O aumento em volume de 0,9% não compensou a queda nos preços, que foi de 8,8%. A soja, principal produto de exportação do país, que havia se beneficiado em 2018 e início de 2019 com a guerra comercial entre a China e os EUA, viu suas vendas encolherem 21% com a redução da demanda chinesa, responsável por 78% de todas as exportações do produto brasileiro.

A gripe suína, que dizimou grande parte do rebanho chinês, e o menor crescimento do país em 2019 explicam a piora nas vendas de soja, que é utilizada para ração. Em 2020, não se esperam melhoras nesse cenário, que pode inclusive ser mais desfavorável com o acordo entre China e EUA. Pelo acordo anunciado no dia 15 de janeiro a China se compromete a comprar US$ 40 bilhões de dólares em cada um dos próximos dois anos de produtos agropecuários dos EUA. O maior valor exportado pelos EUA para a China de produtos agropecuários foi de US$ 29 bilhões em 2013 e, além disso não é claro que os agricultores estadunidenses queiram desviar suas vendas de outros mercados para a China, um cenário incerto. Em 2019, a China comprou US$ 26 bilhões de soja do Brasil e US$ 4,5 bilhões de carne. Pode haver perdas para as exportações de soja, mas a China irá continuar dependendo do Brasil para atender a sua demanda.

O risco maior seria a perda de aumento de potencial da carne e de outros produtos agropecuários no mercado da China. Há menção explicita no acordo a medidas de facilitação na questão das medidas fito sanitárias que regem as importações chinesas de carne bovina, suína e frango. Sabe-se que o governo chinês usa frequentemente essas medidas de forma não transparente para controle das importações. Exportações de alguns tipos de carne e frango originárias dos EUA estavam proibidas de entrar na China. No texto do acordo é enfatizada a importância desse acordo para a agropecuária, pois é esperado que com o aumento da renda chinesa, o consumo de proteína continue a crescer. Mesmo argumento utilizado pelo Brasil.

A indústria extrativa registrou em 2019 aumento de 0,6% em valor, 1,7% em volume e queda de 0,6% nos preços. As exportações de minério de ferro aumentaram em US$ 2 bilhões e as de óleo bruto de petróleo caíram em US$ 1,2 bilhões. No caso do minério, o volume caiu, mas os preços subiram e, para o petróleo, foi o inverso.

Artigos Relacionados

Ritmo de vacinação limita alta do PIB no Brasil a 3,5%

FGV acredita em retomada desigual no mundo, com melhora mais rápida nos países desenvolvidos.

Indústria rejeita retrocesso à jurássica lógica colonialista

Entidades criticam 'visão rasa' de que Brasil deveria se concentrar na agroindústria.

Reajuste salarial no Brasil ficou abaixo da inflação

Em todo o ano passado, 5.038 instrumentos foram negociados, sendo que 4.472 deles por meio de acordos coletivos e 566 por convenções coletivas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Biden retoma restrições a viajantes que cheguem do Brasil

Medida também afetará quem não é cidadão norte-americano que viaje a partir do Reino Unido e África do Sul.

Ação contra McDonald’s já beneficiou mais de 3 mil trabalhadores

Justiça reconheceu direito a maior pagamento de participação nos resultados.

Ritmo de vacinação limita alta do PIB no Brasil a 3,5%

FGV acredita em retomada desigual no mundo, com melhora mais rápida nos países desenvolvidos.

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.