Brasil vermelho

Antes de satanizar movimentos sociais, a mídia demofóbica poderia exibir a seus leitores, ouvintes e telespectadoras dados estarrecedores sobre a situação fundiária do país. Um exemplo: cerca de 26 mil grandes proprietários de terra, menos de 1% dos 5 milhões de proprietários nacionais, são donos de 46% de todas as terras do Brasil, o que deixa o país na triste condição de detentor da maior concentração de propriedade do planeta. Ou seja, em vez do Abril Vermelho, o problema é o Brasil vermelho, mas de vergonha.

Lugar errado
A presença do ex-presidente FH e do ex-ministro da Fazenda Pedro Malan, terça-feira, no Fórum da Liberdade, na PUC de Porto Alegre, provocou protestos de estudantes gaúchos. Segundo a diretora da União Nacional de Estudantes (UNE) Manuela Dávila, um dos participantes do protesto, “os que aprofundaram a crise social, política e econômica do país não são credenciados para discutir o desenvolvimento do Brasil”.

Babá eletrônica
O número de horas destinadas a assistir à televisão cresceu 15 minutos diários por habitante no mundo em 2003. Ano passado, cada habitante da Terra passou, em média, três horas e 39 minutos em frente à TV. No Japão, essa média chegou a quatro horas e 29 minutos por habitante. Como a programação televisiva tem piorado assustadoramente em quase todo o mundo, o resultado deve se refletir na inteligência e na cultura da humanidade nos próximos anos.

Confusão
Quinta-feira, no noticiário de um “jornalão” carioca sobre a AmBev, título e texto brigavam. A matéria, produzida pela agência norte-americana de notícias Bloomberg News, anunciava a presença de Marcel Telles, co-presidente do Conselho de Administração da AmBev, no Senado para explicar “a venda da empresa para a belga Interbrew”. No título, o “jornalão” modificou o caráter da relação entre as duas empresas: “Senado convoca AmBev para esclarecer fusão”.

Spread
Explicar porque o spread bancário está no patamar atual é o que fará o economista chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Roberto Luis Troster, no próximo dia 29, às 14h30, na Associação dos Bancos do Rio de Janeiro (Av. Rio Branco, 81, 19º andar – Centro – RJ). Inscrições: (21) 2203-2188 ou 2253-1538.

Seleção
Thomas Case, fundador do Grupo Catho, será o palestrante do almoço da filial São Paulo da Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil no dia 29. Ele falará sobre “Seleção de Executivos por Competências, Inteligências e Experiências” e apresentará os resultados de uma pesquisa feita com 3.863 executivos. Uma nova metodologia científica de seleção de executivos será apresentada. Informações com Tatiane, Andréa ou Marcia no telefone (11) 3819-0265 ou e-mail [email protected]

Atraso
Apenas um quinto dos executivos das 500 maiores empresas brasileiras consideram suas companhias adaptadas ao novo Código Civil e 19% acreditam que esta lei possa ser uma barreira à geração de novos negócios. Para apenas 12% dos entrevistados a promulgação do Projeto de Lei 84, que trata de crimes de informática, terá impacto alto nos departamentos de tecnologia da informação (TI) e segurança; 50% não acreditam que os ataques, fraudes e crimes vão diminuir. Os dados são de pesquisa com 350 executivos realizada pela firma de segurança de informações Módulo Security.

Cana dura
Promotor ouvido pela coluna desmonta a blindagem jurídica erguida por setores da mídia e do Judiciário sensibilizados com o drama de pitboys processados por formação de quadrilha. A fonte desqualifica a tese de que a caracterização desse tipo de crime tenha como uma das suas pré-condições a ação continuada. Segundo este promotor, a reunião para planejar ação criminosa já torna seus participantes passíveis de indiciamento por crime de formação de quadrilha.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorLimpa
Próximo artigoPapa tudo

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.