Brasileiro deve viajar mais em 2020 do que no ano passado

Capital Research investiga fatores que prejudicaram turismo nacional em 2019.

Conjuntura / 11:20 - 13 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

De acordo com a análise da Capital Research, o ano de 2020 deve ser mais próspero do que 2019, já que a expectativa é que o brasileiro deve viajar mais. O primeiro incentivo para este movimento serão os feriados, já que das nove datas oficializadas pelo calendário nacional oficial, seis cairão em segundas ou sextas-feiras. Há ainda celebrações comoo Carnaval, Corpus Christi e o Dia da Consciência Negra, considerados pontos facultativos no serviço público federal, mas já consagrados feriados em vários estados e municípios.

Ainda segundo o levantamento, com a economia dando sinais de recuperação, a expectativa é que sobre algum dinheiro no bolso do brasileiro para viajar em 2020, pois a maioria dos problemas enfrentados em 2019 não deve se repetir esse ano.

"A nossa visão mais otimista está ligada ao fato de que os principais fatores negativos de 2019 foram pontuais e tendem a se normalizar nos próximos meses", avalia Felipe Silveira, analista da Capital Research. Silveira indica que alguns destes fatores foram a "entrada da Avianca Brasil em recuperação judicial, que proporcionou uma queda abrupta na oferta de assentos em aeronaves, o atraso na entrega de aeronaves 737 Max, da Boeing, por conta dos acidentes entre o final de 2018 e o começo de 2019, e, claro, as manchas de óleo encontradas nas praias do Nordeste".

Paraos próximos 12 meses, a casa de análises aponta que a perspectiva positiva nasce principalmente do fato de que o governo , demonstra a intenção de agir para reduzir o preço das passagens aéreas no Brasil. "Em um primeiro momento, o objetivo é atacar o preço do querosene de aviação, com estudos para cortar o PIS/Cofins sobre combustível, e depois tentar diminuir a concentração de empresas que distribuem o querosene, o que reduziria o custo das companhias aéreas e incentivaria a entrada de estrangeiros no mercado", explica o analista.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor