Brasileiro é vice em rejeição a impostos

Os brasileiros não gostam de pagar imposto. O senso comum foi confirmado por pesquisa feita pela ONU. Entre 14 países, o Brasil é o penúltimo em aceitação em arcar com os tributos que serão convertidos em infraestrutura, saúde, educação e outros bens. Apenas os cidadãos da Macedônia são mais insatisfeitos.
No outro lado da tabela estão os alemães, o povo que melhor aceita o pagamento de impostos para financiar bens públicos. Vêm a seguir Camboja, Áustria, Kosovo, Bangladesh, Afeganistão e Paquistão, Nepal, Bósnia-Herzegovina, Albânia, Sérvia e Montenegro.
A pesquisa foi realizada pelo Basel Institute of Commons and Economics, da Suíça, e inclui no total 141 países. Mas apenas os resultados de 14 foram divulgados. O estudo completo deve ser publi-cado em março.
Se já não gostam da taxação atual, os brasileiros devem ficar ainda mais insatisfeitos. O novo governo estuda o aumento da alíquota de Imposto de Renda para as faixas mais altas de salários, disse o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra.
“O sistema tributário brasileiro precisa ter uma certa progressividade”, declarou o secretário, após a cerimônia de transmissão de cargo para o ministro da Economia, Paulo Guedes. A progressivida-de tributária caracteriza-se por onerar os mais ricos e reduzir o peso dos impostos sobre os mais pobres.
Além de aumentar a alíquota para os mais ricos, Cintra disse ser possível reduzir o IR para pessoas de renda menor e ampliar a faixa de isenção. Ele, no entanto, ressaltou que a extensão dos benefí-cios dependerá do ajuste fiscal que o governo conseguir executar, porque o caixa do governo não pode ser comprometido.
Em relação aos demais tributos, Marcos Cintra admitiu que pretende criar um imposto único, desde que a medida estimule a progressividade do sistema tributário.
 

Artigos Relacionados

China declara eliminação de pobreza extrema

Xi Jinping: retirada de 850 milhões de pessoas é uma ‘conquista sem precedentes’.

Venda cai, mas árabes são o segundo destino de alimentos do Brasil

No total, os embarques de alimentos e bebidas ao exterior tiveram aumento de 11,4% no ano, frente a 2019.

Países ricos se recuperam mais rapidamente, pobres ficam para trás

Lacuna aumenta; vacinação global geraria US$ 9 trilhões até 2025, inclusive para os países desenvolvidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.