28.3 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 23, 2021

Brasileiros são os que mais usam cartão de crédito na América Latina

Apesar do avanço de novas tecnologias de pagamento, como QR Code e NFC (por aproximação), mais de 60 milhões de pessoas ainda não têm conta em banco no Brasil, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo relatório da Minsait, atingir esse público depende de um meio bastante popular no país: o cartão de crédito.

De acordo com Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), os cartões de crédito registraram R$ 534,4 bilhões (alta de 18,8%) no primeiro semestre de 2018.

Os dados mostram que, hoje, 81,6% dos consumidores bancarizados usam frequentemente essa forma de pagamento, índice consideravelmente superior ao de outros países na região, que ficam entre 60% e 70%.

Segundo o estudo, intitulado "Tendências de Pagamento", elaborado pela Minsait, o Brasil se destaca como o país que mais usa esse meio de pagamento. Os dados mostram que 81,6% dos consumidores usam frequentemente essa forma de pagamento, índice consideravelmente superior ao de outros países na região, que ficam entre 60% e 70%.

"Entendemos que a transformação digital dos meios de pagamento é uma ferramenta indispensável para alcançar os objetivos de inclusão financeira e disponibilizamos às entidades nossa experiência em digitalização de cartões virtuais com contas pré-pagas, criação de aplicativos de pagamento, bem como nossa carteira, que vendemos sob o rótulo branco e permite ao cliente final autogestão e pagamento móvel", diz Carlos Souza, diretor de Serviços Financeiros da Minsait no Brasil.

De acordo com a Minsait, esse uso tende a crescer ainda mais nos próximos anos, impulsionado pelos cartões pré-pagos. "Essas ferramentas são amplamente utilizadas para receber doações, bolsas de estudo e outros fundos do Estado. A tendência de crescimento nos próximos anos está diretamente ligada à intenção dos governos de tentar reduzir o caixa para lidar com as taxas de fraude e o mercado não auditado", afirma o executivo.

 

Pagamento via celular – Segundo outro relatório, este do Centro de Inovação da Visa (CI), entre os países da América Latina, o Brasil também lidera em inovação tecnológica para pagamentos via aplicativos. O estudo aponta que até o fim de 2020, o número de usuários de smartphones será 30% maior. Isso significa um aumento de 7,2% nas transações por celular, que não envolvam dinheiro, aponta o estudo.

O brasileiro já é o quarto maior consumidor de aplicativos do mundo: usa cerca de 10 deles por dia – e grande parte para fazer compras. Pesquisa do Instituto Qualibest de 2018 aponta que 81% dos internautas já encomendaram ou contrataram algum tipo de serviço ou produto por meio de aplicativos ou sites utilizando um smartphone.

Artigos Relacionados

Indústria rejeita retrocesso à jurássica lógica colonialista

Entidades criticam 'visão rasa' de que Brasil deveria se concentrar na agroindústria.

Reajuste salarial no Brasil ficou abaixo da inflação

Em dezembro, o reajuste salarial no Brasil ficou abaixo da inflação (-0,9%). É o que revela o boletim Salariômetro, divulgado nesta sexta-feira pela Fundação...

Proposta do governo é armadilha para caminhoneiros

Categoria ameaça parar dia 1º, o que poderia afetar distribuição de vacinas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.