Brics terá cooperação espacial entre os países-membros

China prevê plano para cooperação de satélites de sensoriamento remoto.

Com o início da 14ª Cúpula do Brics, a Administração Espacial Nacional da China (CNSA) revelou ao Global Times o mais recente desenvolvimento, com mais detalhes sobre a cooperação em observação conjunta e compartilhamento de dados dos satélites de sensoriamento remoto entre as cinco principais economias emergentes – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

O ano de 2022 testemunhou a abertura bem-sucedida da primeira reunião da comissão conjunta de cooperação espacial dos países do Brics sediada pela CNSA, já que a China assume a presidência do grupo neste ano.

De acordo com o comunicado da CNSA, 2022 será o “ano de lançamento” para a cooperação na constelação de compartilhamento de dados de satélites de sensoriamento remoto e observação conjunta, e também um ano de construção chave para a cooperação espacial entre os países.

Desde 2021, a cooperação do grupo na esfera de sensoriamento remoto incluiu seis satélites e cinco estações terrestres.

O Gaofen-6 e o Ziyuan-3 02 da China, o CBERS-4 co-desenvolvido pelo Brasil e a China, o tipo Kanopus-V da Rússia e os Resourcesat-2 e 2A da Índia se juntaram ao mecanismo para observação conjunta e compartilhamento de dados. Estações terrestres em Sanya, na província de Hainan, no sul da China, em Cuiabá, no sudoeste do Brasil, em Moscou, em Hyderabad, na Índia, e em Hartebeesthoek, na África do Sul, também estão apoiando o programa.

Desde a criação do Brics, há mais de uma década, os países membros têm alcançado resultados frutíferos na cooperação em áreas como economia, comércio, política, segurança, inovação tecnológica, bem como intercâmbio cultural e interpessoal.

A tecnologia de satélite de sensoriamento remoto, com vantagens que incluem suas capacidades de observação de alta resolução, alcance total e global, tornou-se uma das medidas-chave para lidar com os desafios globais no século 21, como a crise alimentar, a escassez de recursos hídricos e a mudança climática global, explicou a CNSA.

O significado estratégico da cooperação no setor espacial pode reforçar a solidariedade entre os países do Brics, aumentar a eficiência da observação por satélite e realizar o compartilhamento de recursos e impulsionar os laços bilaterais, multilaterais entre os países, segundo avaliaram observadores.

A China, de acordo com a CNSA, prevê um plano de desenvolvimento em duas etapas para a cooperação de satélites de sensoriamento remoto do Brics.

O estágio primário é uma constelação virtual de cinco satélites – um de cada país membro. A segunda etapa verá uma cooperação mais coordenada de acordo com os planos de desenvolvimento espacial de cada país membro. Os países formularão conjuntamente padrões de constelação de satélites e coordenarão a condição dos satélites e as portas de transmissão de dados para alcançar um produto e serviços de dados mais unificados – o que deverá marcar a fase de construção de uma constelação real.

Segundo a CNSA, em janeiro de 2022, a China tinha 499 satélites em órbita e 169 para a Rússia, 61 para a Índia, 13 para o Brasil e 3 para a África do Sul.

Em maio, foi estabelecida uma comissão conjunta de cooperação espacial dos países do Brics, dando início a um novo capítulo de observação conjunta e compartilhamento de dados de satélites de sensoriamento remoto entre os cinco estados membros.

Como uma grande potência espacial em sua respectiva região, os cinco membros do Brics têm grande potencial para explorar maior cooperação no campo. No entanto, vários desafios ainda estão por vir, alimentados por fatores geopolíticos e pelo impacto da Covid-19, como déficit de confiança mútua, afrouxamento de laços de interesse e declínio na ação coletiva.

Diante desses desafios, a assinatura do acordo em 2021 abriu um novo caminho na parceria dos membros do grupo em áreas de alta tecnologia, disse a CNSA.

Para garantir a cooperação no espaço, a confiança política mútua deve ser garantida. Com a pandemia ainda assolando o mundo, a recuperação econômica é cada vez mais difícil e a evolução da ordem internacional é profunda e complexa.

Os países também estão enfrentando desafios como mudanças no ambiente político dos países membros e a contínua difamação e repressão pelos países ocidentais.

A cooperação da constelação, que poderia facilmente formar um consenso, poderia contribuir para fortalecer a confiança política mútua entre os cinco Estados membros. A cooperação no campo espacial também ajuda os países do Brics a participar da governança global, especialmente a governança do espaço sideral, observou a CNSA.

Leia também:

Irã solicita adesão ao Brics

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Bancos chineses: mais empréstimos para empresas privadas

No final de junho aumento de 11,4% em relação ao ano anterior

Coronel fiscal de eleições dissemina informações falsas

TSE deixa aberta a possibilidade do a pasta indicar outro nome

Arábia Saudita cria fundo para pequenos negócios do turismo

Programa vai apoiar duas mil pequenas empresas turísticas de pequeno porte no país com US$ 133 milhões.

Últimas Notícias

Armazém Cultural: Câmara debate veto do prefeito do Rio

.Comissão de Justiça e Redação recomenda rejeição ao veto

Plataformas da Bacia de Campos tem hotéis flutuantes

Petrobras estuda investir US$ 220 milhões até 2023

Ações do setor de saúde puxam Ibovespa

Destaque também para Petrobras, que celebrou novo aditivo ao contrato de compra de gás natural com a YPFB

Governo de MG conclui leilão de 627,4 km de rodovias

Investimentos de R$ 3,2 bi, sendo R$ 1,4 bi nos oito primeiros anos da concessão

Bancos chineses: mais empréstimos para empresas privadas

No final de junho aumento de 11,4% em relação ao ano anterior