BTG diz que quer ‘correr riscos’ junto com os clientes

Participações que podem chegar a 5% do capital dos fundos.

Mercado Financeiro / 23:08 - 11 de ago de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O BTG Pactual comunicou que estuda investir junto com clientes em fundos de private equity administrados pelo banco. A notícia foi dada pela instituição nesta terça-feira durante apresentação dos resultados do segundo trimestre.

O vice-presidente financeiro da instituição, João Dantas, disse a jornalistas que, ao contrário da estratégia anterior do BTG de investir em companhias, o banco agora quer mostrar aos clientes que está correndo risco junto com eles, com participações que podem chegar a 5% do capital dos fundos.

O Banco BTG Pactual junto com suas subsidiárias, (“BTG Pactual”) (B3: BPAC11) anunciaram receitas totais de R$ 2,482 bilhões e um lucro líquido ajustado de R$ 986.8 milhões no trimestre encerrado em junho de 2020.

O lucro líquido ajustado por unit do BTG Pactual foi de R$ 1,09 e o retorno ajustado anualizado sobre o patrimônio líquido médio (“Roae Anualizado”) foi de 17,5% no trimestre encerrado 30 em junho de 2020. E R$ 1,96 e 16,0%, respectivamente, para o ano encerrado nesta data. Em 30 de junho de 2020, os ativos totais do BTG Pactual somaram R$ 230,4 bilhões, um acréscimo de 15,0% em comparação ao trimestre encerrado em 31 de março de 2020. Nosso índice de Basileia foi de 19,6%

Diante desse cenário de crise, com condições de mercado desafiadoras e voláteis, achamos extremamente importante manter uma capitalização robusta e altos níveis de liquidez, e ao mesmo tempo aproveitando novas oportunidades. Portanto, em junho, emitimos uma oferta primária de R$ 2,65 bilhões (35,6 milhões de units) para acelerar iniciativas estratégicas na nossa unidade de varejo digital, e manter métricas robusta de liquidez. Como resultado, encerramos o trimestre com um índice de Basileia de 19,6%. Nosso Roae ajustado anualizado e lucro líquido ajustado foram de 17,5% e R$ 986,8 milhões, respectivamente”, destacou o relatório de resultado.

A receita do banco foi de R$ 2.482,5 milhões, crescimento de 63,6% em relação ao trimestre anterior. A área de Investment Banking registrou um aumento de receita de 17,6% em relação ao trimestre anterior, com receita recorde no segmento de DCM, o portfólio de Corporate Lending atingiu R$ 57,2 bilhões, um crescimento de 19,9% (ou R$ 9,5 bilhões).

As despesas operacionais foram de R$ 1.036,4 milhões no 2T 2020 (um aumento de 59,3% em relação ao 1T 2020). Segundo o banco, o aumento ocorreu principalmente devido à maior provisão de bônus atribuída ao aumento da receita e a maiores encargos tributários que não o imposto de renda. Como resultado, o índice de eficiência foi de 41,8% e nosso índice de remuneração foi de 26,7%.

O lucro líquido contábil foi de R$ 977,4 milhões no 2T 2020, um aumento de 27,3% em relação ao 1T 2020 e um aumento de 0,6% quando comparado ao 2T 2019. O patrimônio líquido foi de R$ 25,6 bilhões, um aumento de 16,2% em relação ao 1T 2020 e um aumento de 25,4% em relação ao 2T 2019, considerando R$ 2,6 bilhões dos recursos da oferta primária. O índice de cobertura de liquidez (“LCR”) foi de 177%.

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor