Bye bye, Bush

O Exército dos Estados Unidos já contabiliza entre 8 mil e 10 mil soldados cujo paradeiro é desconhecido. Como os números não são decompostos, não se pode afirmar quantos desse total desertaram por motivos políticos. A informação é de Aaron Glantz, da Inter Press Service (IPS) – http://www.antiwar.com/glantz/?articleid=9796. Glantz afirma, porém,  que grande parte deixou o Exército por serem contrário à invasão do Iraque e centenas desses soldados pediram asilo político ao Canadá.

Pensamento único
O sociólogo Emir Sader já disse que, de forma geral, a imprensa brasileira é tão igual que parece escrita pelas mesmas pessoas. Mesmo assim, impressiona o tratamento homogêneo dado pelas televisões ao confisco de até 11% imposto ao rendimento da caderneta de poupança, com a mexida no redutor da TR. Todos entrevistados do Jornal Nacional, no dia do anúncio da medida, por exemplo, se limitaram a afirmar que a medida beneficiava os mutuários. Ficou impressão de que, num país com cerca de 75 milhões de poupadores, não existiria um só especialista capaz de lembrar questão basilar: o benefício para quem paga prestação da casa própria se restringe a 0,49%, menos de R$ 10 por mês para uma mensalidade de R$ 1,5 mil. E, claro, os principais beneficiados são os bancos.

Boris Hernandes
Sobre controle do mesmo proprietário do Jornal do Brasil, a JBTV (antiga CNT) anuncia que o jornalista Boris Casoy, fora do ar desde que foi afastado da Record, estréia, na primeira quinzena de abril, no comando do Tele Jornal do Brasil. A mesma emissora informa que o deputado Clodovil Hernandes também exibirá, a partir do mês que vem, um programa de entrevistas e reportagens especiais, em Brasília, com ênfase na política do Distrito Federal.

Sob pressão
O Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado de São Paulo (Sincor-SP) critica a exigência de divulgação da comissão do corretor na apólice de seguros, como deseja a Susep. “O consumidor pode escolher um determinado corretor pela baixa comissão cobrada, sem levar em consideração seu trabalho e serviços prestados”, explica Leoncio de Arruda, presidente do Sincor-SP. A entidade teme que, caso seja aprovada a norma, as companhias seguradores pressionem os corretores para uniformizar as comissões ou até mesmo impor reduções.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTeletrabalho
Próximo artigoCágado

Artigos Relacionados

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Governo sabota emprego doméstico

Desconto no Imposto de Renda, que acabou, incentivava a assinatura da carteira.

Últimas Notícias

Sindicatos defendem política pública para tratar dos combustíveis

Melhor alternativa é considerar todas as etapas e beneficiar o consumidor

Redução dos impactos socioeconômicos das mudanças climáticas

Engajamento necessário de todos os atores sociais, especialmente das empresas.

O cenário da construção civil para 2022

Por Victor Gomes.

Sai edital da primeira desestatização de portos no país

Em Vitória a capacidade de movimentação portuária é de 7 milhões de toneladas

‘Olhos de Água’, romance delicado e apaixonante

Por Paulo Alonso.