Cade aprova compra da Extrafarma pela Pague Menos

Decisão é condicionada ao desinvestimento de oito lojas da Extrafarma, que representam menos de 3% das unidades adquiridas.

O Tribunal Administrativo do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), em sessão ontem, aprovou a aquisição da Extrafarma, pertencente a Ultrapar (UGPA3), pelas Farmácias Pague Menos (PGMN3), de forma condicionada à celebração de Acordo em Controle de Concentrações (ACC), que prevê, dentre outras obrigações, o desinvestimento de oito unidades, menos de 3% das lojas adquiridas.

Segundo o Jornal Giro News, “a transação foi aprovada por unanimidade, mas com restrições que incluem a venda de oito lojas, em oito cidades dos 17 mercados considerados como relevantes pela autarquia. São cinco pontos de venda no Ceará, dois no Maranhão e um no Rio Grande do Norte. A venda dos ativos está sendo firmada para a rede Bruno Farma e o negócio deverá ser acertado em até 180 dias, sendo que a operação só poderá ser concluída após o cumprimento dessa determinação. Atualmente, a Extrafarma possui 402 unidades em 11 estados, principalmente no Nordeste. Com a concretização da operação, a Pague Menos se tornará a segunda maior companhia do varejo farmacêutico, ultrapassando a DPSP, dona das bandeiras Drogaria São Paulo e Pacheco, e ficando atrás apenas da Raia Drogasil. A rede terá cerca de 1.600 filiais e R$ 10 bilhões em vendas, acelerando o seu plano de expansão em três anos. A Ultrapar anunciou a venda da Extrafarma no ano passado, por R$ 700 milhões.”

Em cumprimento ao ACC, a Pague Menos e a Ultrapar já apresentaram ao Conselho o contrato vinculante para a venda de todas as lojas a serem desinvestidas, sendo que o Cade aceitou o comprador indicado. Com a aprovação do Ato de Concentração pelo Cade, as empresas poderão seguir com o fechamento da transação, pelos termos do ACC, previsto para ocorrer em 1º de agosto de 2022, que ainda depende do cumprimento de determinadas condições precedentes previstas no contrato de compra e venda.

“A transação acelera em três anos nosso plano de expansão. Paralelamente, seguiremos com o plano de expansão orgânica”, afirma Mário Queirós, CEO da Pague Menos.

A aquisição da Extrafarma importará em combinação de ativos com posicionamento de marca, demografia e geografia complementares.

“Ao longo dos últimos meses, avançamos no mapeamento de sinergias e confirmamos nossa expectativa de captura anual de R$ 180 milhões a R$ 275 milhões de Ebitda incremental por meio de receita, margem bruta, logística e despesas indiretas”, destaca Luiz Novais, CFO da Pague Menos.

A Pague Menos anunciou, em nota que “sempre dentro dos limites legais, vem se planejando para poder executar o fechamento da transação e a futura integração dos negócios de forma ágil, bem-sucedida e sem rupturas, tão logo obtida a aprovação definitiva e atendidos os condicionamentos do ACC, garantindo a continuidade dos negócios e captura de sinergias.”

 

Com informações do Jornal Giro News

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Adquirir conhecimento é a chave para investir melhor

Para economista, medo é o mesmo sentimento que se tem do desconhecido

Petrobras desenvolve mapeamento digital

Petroleira diz que já conseguiu mapear uma área de 18.700 km² (equivalente a 85% do território de Sergipe)

Petróleo termina abaixo de US$ 100 por barril nos EUA

Queda de mais de 8% nesta terça-feira.

Últimas Notícias

Viagens tiveram queda de 41% entre 2019 e 2021

Dados são da Pnad Contínua Turismo 2020-2021, do IBGE; já as corporativas superaram R$ 1 bi em faturamento em maio deste ano.

Ovo aumentou 202,13% acima da inflação oficial

Pesquisa do IBPT analisou o preço de 40 produtos, entre março de 2020 e maio de 2022.

Exterior misto deve acrescentar volatilidade nos negócios locais

Nesta quarta, dólar também ganha força ante moedas emergentes e ligadas a commodities, o que deve pressionar o real.

BNDES: R$ 317,2 milhões nos aeroportos de Mato Grosso

Ao todo serão investidos R$ 500 milhões nos quatro aeroportos, com participação de 65% do BNDES

Fintechs emprestaram mais de R$ 12 bi em 2021

Crédito é quase o dobro do ano anterior, diz pesquisa da ABCD e PwC Brasil