Cade autoriza parceria entre empresas de commodities e bancos internacionais

  O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deu sinal verde para a criação de uma joint venture a ser sediada...

Mercado Financeiro / 20:21 - 12 de jun de 2018

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

 

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deu sinal verde para a criação de uma joint venture a ser sediada na Suiça que visa desenvolver um sistema digital para a oferta de financiamentos para o setor baseado na tecnologia conhecida como “blockchain”. O braço de comercialização da petroleira Shell, empresas de commodities e bancos internacionais receberam autorização do órgão de defesa da concorrência brasileiro para desenvolver o negócio.

De acordo com despacho do Cade, publicado no Diário Oficial da União na segunda-feira, o negócio foi aprovado sem restrições e envolve a Shell Trading e os bancos e empresas do setor ABN Amro, ING Bank, Societe Generale, BNP Paribas, CA Indosuez, Citibank, Macquarie, Rabobank, Natixis, a trading Mercuria e a certificadora SGS.

Cada empresa terá uma participação minoritária de 7,7% na joint venture, que irá desenvolver uma plataforma de financiamento aberta (Open Financing Platform - OFP) para servir como interface entre instituições financeiras que oferecem soluções de financiamento para comercialização de commodities de um lado e, de outro, plataformas de comercialização ou traders.

Sede em Genebra

A sede da joint venture será em Genebra, na Suíça, e segundo as empresas a operação representa uma oportunidade para que os agentes do mercado de financiamento avancem para um sistema digital e seguro que possa conectá-los aos clientes do setor de commodities.

“A JV também será uma interface eficiente entre plataformas internacionais de comercialização de commodities, traders e instituições financeiras para permitir que clientes tenham acesso a serviços financeiros e expertise”, explicaram as empresas ao Cade.

A plataforma será baseada na tecnologia “blockchain”, a mesma que certifica transações com criptomoedas, podendo ainda utilizar outras tecnologias para proporcionar “um balcão único digital de soluções de financiamento de commodities”, segundo o órgão antitruste.

Nos documentos enviados ao Cade, as empresas explicaram que as soluções serão oferecidas em nível mundial, incluindo para operadores no Brasil, e não haverá qualquer relação de exclusividade entre as instituições financeiras envolvidas e a joint venture.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor