Caem 14,16% roubos de motos em SP

Isolamento contribuiu para a queda.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Por conta da pandemia de Covid-19, o número de motos roubadas e furtadas no Estado de São Paulo teve queda significativa. É o que aponta o Boletim Econômico Tracker-Fecap, um levantamento realizado pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), em parceria com a empresa Tracker, a partir de análise dos boletins de ocorrência registrados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Entre os meses de março e agosto de 2020, foram registradas em média 970 ocorrências de roubo por mês, uma redução de 14,16% em comparação ao mesmo período de 2019, que teve média mensal de 1.130 roubos. Já a média de furtos, nos últimos seis meses, foi de mil veículos, o que corresponde a uma queda de 37% na média mensal, na comparação do mesmo período de 2019. O período noturno é o preferido dos bandidos. Mais da metade dos roubos (53,53%) e um terço dos furtos (32,27%) ocorreram à noite.

A capital paulista lidera o ranking de roubos, com 52,49% das ocorrências registradas. Guarulhos (6,16%), Campinas (6,03%), Diadema (4,96%), Santo André (4,56%), São Bernardo do Campo (3,70%), Mauá (2,97%), Osasco (2,78%), Suzano (2,24%) e Ribeirão Preto (2,15%) completam o ranking das dez cidades com maior número de eventos. Dentro da capital, os bairros do Capão Redondo e de São Mateus lideram a lista dos roubos de motocicletas e motonetas, com 94 ocorrências registradas em cada um. Completam o ranking: Itaquera (86 ocorrências), Pedreira (74), Jardim Ângela e Iguatemi (69), Raposo Tavares (68), Campo Grande (66), Grajaú (64), Cidade Ademar e Guaianases (62), totalizando seis bairros da zona sul, quatro da zona leste e um da zona oeste da capital, todos situados em regiões periféricas da cidade. Os logradouros com maior incidência de roubos no estado são Avenida Aricanduva, Avenida Jacu Pêssego e Rodovia Raposo Tavares.

São Paulo também lidera o número de furtos, com 40,43% do total. Santos vem em segundo lugar (2,93%), depois São Bernardo do Campo (2,59%), Osasco (2,45%), Campinas (2,11%), Diadema (1,90%), Carapicuíba (1,89%), Santo André (1,85%, Ribeirão Preto (1,85%) e Guarulhos (1,42%). Dentro da capital, Santana é o bairro com maior incidência de furtos, com 131 ocorrências. Em seguida aparece Itaim Bibi (128 furtos), Bela Vista (111), Santo Amaro (110), Pinheiros (108), Lapa (106), Vila Mariana (101), Jardim Paulista (97), Tatuapé (96) e Barra Funda (92). Os logradouros mais visados para furto são Rua Tocantínia (zona Sul) e Rua Voluntários da Pátria (Zona Norte).

“Verificamos que a maioria dos furtos é cometido em bairros totalmente distintos daqueles em que as motos são roubadas. Neste caso, há uma preferência para regiões mais centrais e mais nobres da capital. Observamos ainda que os períodos de furtos variam substancialmente conforme a região analisada. Os furtos nos bairros mais periféricos ocorrem principalmente na madrugada. No entanto, a grande maioria dos furtos nos bairros nobres não possuem um período exato para ocorrer. Estão bem distribuídos entre manhã, à tarde ou à noite”, destaca o coordenador do Departamento de Pesquisas em Economia do Crime Fecap, Erivaldo Costa Vieira.

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor