Caixa lançará na terça app para cadastro em renda emergencial

Pagamento, porém, ainda não tem data definida.

Conjuntura / 20:46 - 3 de abr de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A partir de terça-feira, poderá ser baixado aplicativo lançado pela Caixa Econômica Federal que permitirá o cadastramento para receber a renda básica emergencial, de R$ 600 ou de R$ 1,2 mil para mães solteiras. O banco também lançará uma página na internet e uma central de atendimento telefônico para a retirada de dúvidas e a realização do cadastro. A renda deverá beneficiar 54 milhões de pessoas, com valor de R$ 98 bilhões e será limitado a duas pessoas da mesma família.

O próprio aplicativo avaliará se o trabalhador cumpre os cerca de dez requisitos exigidos pela lei para o recebimento da renda básica. O pagamento poderá ser feito em até 48 horas depois que a Caixa Econômica receber os dados dos beneficiários, mas o presidente do banco não se comprometeu em apresentar uma data específica. Quem não tem conta em bancos poderá retirar o benefício em casas lotéricas.

A demora em pagar levou o líder dos sem-teto Guilherme Boulos, candidato a presidente em 2018, a cobrar do governo pelo Twitter: “Bolsonaro acaba de dizer em entrevista que vai pedir 1 dia de jejum ao povo brasileiro na luta contra o coronavírus. Na verdade serão vários dias de jejum pra milhões de brasileiros se ele não pagar logo a renda básica de R$ 600”

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, anunciou que o banco lançará outro aplicativo, exclusivo para o pagamento da renda básica. O benefício será depositado em contas poupança digitais, autorizadas recentemente pelo Conselho Monetário Nacional, e poderá ser transferido para qualquer conta bancária sem custos. Segundo ele, o calendário de pagamentos será anunciado na próxima semana, depois de o banco conhecer o tamanho da população apta a receber a renda básica emergencial.

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, informou que só precisarão se inscrever no aplicativo microempreendedores individuais (MEI), trabalhadores que contribuem com a Previdência Social como autônomos e trabalhadores informais que não estejam inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. Caso o trabalhador esteja inscrito no cadastro único, o aplicativo avisará no momento em que ele digitar o número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF). Os beneficiários do Programa Bolsa Família não precisarão baixar o aplicativo.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor