Câmara da Argentina aprova 1ª parte da Lei Omnibus

A Lei Omnibus coloca a Argentina no caminho do neoliberalismo radical, e privatização atrai fundos como o BlackRock

71
Congresso da Argentina
Congresso da Argentina (Foto: Martín Zabala/Agência Xinhua)

Após três dias de debates, o projeto enviado pelo presidente Javier Milei foi aprovado na Câmara dos Deputados da Argentina, com 144 votos a favor e 109 votos contra. A Lei Omnibus avançou com apoio da “oposição amiga”, segundo o jornal Página12, “em meio a um processo de discussão que começou com um Congresso cercado e uma operação de segurança que terminou em repressão”. Na próxima terça-feira os artigos particulares começarão a ser discutidos.

Para a aprovação da iniciativa eram necessários 129 votos na Câmara. O bloco oficial La Libertad Avanza (LLA) é formado por 38 deputados. Partidos de direita, como União Cívica Radical (UCR), Fazemos a Coalizão Federal (HCF), Proposta Republicana (PRO) e Inovação Federal (IF), entre outros, apoiaram a iniciativa.

Javier Milei consegue primeira aprovação da Lei Omnibus argentina
Javier Milei (foto de Luciano Gonzáles Torres, Xinhua)

A proposta de Milei visa desregulamentar a política e a economia nacional, entregando o país a um neoliberalismo radical. O projeto em discussão foi reduzido a um total de 385 artigos, dos mais de 600 iniciais, reduzindo especialmente a autonomia do governo em relação a previdência e a parte fiscal.

Leia também:

Espaço Publicitáriocnseg

Centenas de milhares na Argentina repudiam pacote de Milei | Monitor Mercantil

A privatização das empresas públicas é um dos pontos centrais da Lei Omnibus. Para conseguir apoio, o partido no poder reduziu de 36 para 27 as empresas públicas que pretende privatizar integralmente, mantendo a possibilidade de privatizar parcialmente outras três, que são o Banco de la Nación, a Nucleoeléctrica Argentina (energia) e a ARSAT (satélites).

A privatização atraiu Lawrence “Larry” Fink, o CEO do mega fundo especulativo BlackRock, que manteve bate-papo virtual com Milei, segundo apurou o Página12. Fink manifestou sua intenção de comprar empresas estatais argentinas. “Na sua comunicação oficial, o governo disfarçou o pedido com eufemismo e destacou que, em maio, Fink visitará a Argentina para ver ‘possíveis projetos de investimento’”, relata o jornal argentino.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui