Câmara ouvirá presidente da Petrobras sobre operação de termelétricas

A Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados quer esclarecimentos sobre a operação de termelétricas, apresentação do Plano de Ação de Governança da Petrobras, bem como debate sobre o preço dos combustíveis. Na terça-feira (14) está agendada uma audiência pública para ouvir o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna. A audiência pública está marcada para as 9 horas no plenário 14.

O pedido para a realização da reunião foi feito pelos deputados Christino Aureo (PP-RJ), Luis Miranda (DEM-DF), Benes Leocádio (Republicanos-RN), Paulo Ganime (Novo-RJ), Carlos Zarattini (PT-SP), João Carlos Bacelar (PL-BA), Nereu Crispim (PSL-RS) e Danilo Forte (PSDB-CE).

O parque termelétrico da Petrobras começou a ser construído em 2000, durante o governo Fernando Henrique Cardoso. A intenção era tentar minimizar o racionamento de energia elétrica que viria a seguir, entre julho de 2001 e fevereiro 2002. Com a volta das chuvas, o governo determinou o desligamento dessas usinas, o que causou prejuízos à estatal. A estatal possui 20 usinas termelétricas.

Segundo a Agência Câmara de Notícias, nos últimos anos, porém, com o esvaziamento dos reservatórios das hidrelétricas, devido a períodos de secas, as termoelétricas têm operado com mais frequência e devem ser ainda mais requisitadas à medida que aumenta a geração de parques eólicos e solares no Brasil.

Novos contratos

A Petrobras afirmou que aprovou novos modelos contratuais para venda de gasolina A e de óleo diesel rodoviário e marítimo para as distribuidoras de combustíveis, visando simplificar alguns processos, aumentar a competitividade e trazer flexibilidade para a Petrobras na adoção de novas estratégias comerciais. Lembrando que a estatal está sendo muito criticada por sua política de reajustes. Os novos contratos ainda serão submetidos à homologação pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), seguindo a regulação vigente.

A estatal disse nesta sexta-feira que no cenário atual do mercado, caracterizado pela entrada de produto importado por terceiros e pelo processo de desinvestimento de ativos de refino, torna-se necessário promover aperfeiçoamentos em algumas cláusulas comerciais e operacionais. “Esses ajustes, definidos com base na experiência obtida ao longo do período de vigência dos atuais contratos e em decorrência de feedback dos clientes, buscam fortalecer a relação comercial com nossos clientes e a competitividade da companhia”.

Os novos contratos darão mais flexibilidade, sendo possível ajustar condições comerciais de acordo com o mercado, representando um passo importante para o posicionamento da Petrobras no novo ambiente competitivo. “É importante ressaltar que não há mudanças nas práticas de precificação destes produtos, que seguem o alinhamento dos mercados internacionais”, garantiu a petroleira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Smilink: 100% na venda de tratamentos com alinhadores transparentes

Um salto de 40% no seu volume de buscas no Google nos últimos seis meses

FUP e Anapetro vão à Justiça para barrar AGE da Petrobras

Nomes indicados para o Conselho de administração foram considerados, por unanimidade, inelegíveis

Petvi investe mais de R$ 5,5 milhões para desenvolver novos produtos

Empresa especializada em suplementação pet mira entrar no varejo da AL.

Últimas Notícias

Burocracia bancária faz sete em cada 10 brasileiros perderem dinheiro

Já Pix alcança o segundo lugar no ranking de meios de pagamento aceitos pelo comércio eletrônico.

‘Americano’?

Por Eduardo Marinho.

Jô Soares, eterno em nossos corações e mentes

Por Paulo Alonso.

Microcrédito para taxistas será votado na terça

Projeto de André Ceciliano abre linha de até R$ 80 mil para renovar frota.

Safra de grãos deve ser de 271,4 milhões de t em 2021/22

Levantamento é da Conab; já queda nas safras leva à retração da Região Sul no primeiro trimestre.