Câmara rejeita ‘PL antiterrorismo’

A Câmara dos Deputados rejeitou nesta quarta-feira a urgência para votar o Projeto de Lei (1595/19) que cria uma polícia política que permite ao presidente Jair Bolsonaro perseguir opositores. O PL conhecido como “PL antiterrorismo” ou “PL de ações contraterroristas”, é de autoria do deputado bolsonarista Major Vitor Hugo (PSL-ES), cuja proposta foi aprovada em comissão especial em setembro último.
Articulados com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), bolsonaristas colocaram em votação no plenário da Casa um pedido de urgência pela ala governista. O objetivo é criminalizar os movimentos sociais e qualquer oposição ao governo Bolsonaro. No texto, é proposto enquadrar atos que tenham “a intenção de intimidar ou coagir a população civil ou de afetar a definição de políticas públicas por meio de intimidação, coerção, destruição em massa, assassinatos, sequestros ou qualquer outra forma de violência”.

Leia também:

Posse de Mendonça no STF será no próximo dia 16

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Prazo para convenções partidárias acaba hoje

Mais de 156,45 milhões de eleitores estão aptos a votar em outubro.

Senado aprova MP do teletrabalho

Negociação da jornada ocorrerá individualmente, entre o trabalhador e o empregador; texto segue para sanção presidencial.

Câmara aprova MP do teletrabalho; texto vai para o Senado

Matéria precisa ser votada até domingo; trabalhadores preferem continuar em home office para driblar altas do combustível.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.