Câmbio mata

Já dizia Mário Henrique Simonsen que inflação aleija, mas câmbio mata. A divulgação, pelo Banco Central, de que o déficit em transações correntes do Brasil caiu para US$ 23,5 bilhões em 2016, o equivalente a 1,3% do Produto Interno Bruto, ante US$ 58,9 bilhões (3,28% do PIB) em 2015, mostra o efeito da desvalorização do real frente ao dólar, um choque necessário iniciado há dois anos. Lia Valls, pesquisadora da FGV/Ibre, comenta que “a principal razão para a queda no déficit em conta-corrente, que teve recuo de 60,1%, foi a melhora do superávit da balança comercial que passou de US$ 17,7 bilhões para US$ 45 bilhões (um ganho de US$ 27,4 bilhões). Ressalta-se, porém, que esse ganho é explicado pela acentuada queda nas importações (recuo de 19%), pois as exportações também caíram (3%). Logo, foi a forte redução no nível de atividade econômica (recessão), em 3,4%, que explica essa melhora. Na conta de serviços, a redução no déficit foi bem menor, passando de US$ 36,9 bilhões para US$ 30,4 bilhões.”

Assim, a recessão tem papel principal, mas a recuperação das exportações brasileiras e a maior competitividade dos produtos aqui feitos frente aos importados dependem da taxa de câmbio – que, irresponsavelmente, o Governo Temer está deixando valorizar, perdendo parte do ajuste feito. O Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) mostra que o Brasil conseguiu melhorar sua competição com produtos chineses no triênio 2013-2015. Um dos fatores que contribuíram para o resultado é a desvalorização da moeda brasileira em termos reais. “Assim, para que as exportações brasileiras de bens manufaturados não retomem aquela tendência [de perda de espaço no mundo], seria fundamental a manutenção da taxa de câmbio em patamares competitivos. A dependência do câmbio pode diminuir ao longo do tempo, desde que fatores relacionados à produtividade/custo de natureza sistêmica (infraestrutura, tributação, custo financeiro) tenham evolução e que a indústria amplie sua produtividade”, destaca a entidade.

Lia Valls destaca ainda que “do ponto de vista da macroeconomia, significa que o ajuste externo do país foi garantido, mesmo com as turbulências políticas que levaram a alguns imaginarem cenários catastróficos de saída de capital. Isso não ocorreu e as reservas internacionais garantem que o tema da ‘vulnerabilidade externa’ não ocupa lugar de destaque na conjuntura econômica. Do ponto de vista de médio prazo, o desafio de elevar as exportações brasileiras permanece. Mesmo que em 2017 haja alguma melhora no valor exportado das commodities (melhora nos preços), o tema da competitividade das exportações de manufaturas continuará na pauta da agenda da política comercial”.

Volta para casa

O total do investimento direto do país passou de US$ 74,5 bilhões para US$ 78,9 bilhões entre 2015 e 2016. “Observa-se, porém, que a participação do capital (aportes para aumento da capacidade de produção) caiu um pouco: de US$ 56,4 bilhões para US$ 54 bilhões. Logo, o que explica a melhora do investimento direto foram as operações intercompanhia que são contabilizadas como investimento direto”, analisa Lia Valls.

Dentro dessas operações, estão os empréstimos das multinacionais estrangeiras a suas filias no Brasil, que ficaram estáveis (US$ 22 bilhões), e os empréstimos de filias de empresas brasileiras no exterior a suas matrizes sediadas no Brasil (US$ 19,8 bilhões para US$ 24 bilhões). “Nesse caso, o aumento dos investimentos diretos está principalmente associado a decisões de empresas brasileiras de transferirem recursos para as suas matrizes. Para 2017, não esperamos grandes mudanças no total do investimento direto”, explica a pesquisadora da FGV-Ibre.

Show contra a reforma

A Força Sindical e o Sindicato Nacional dos Aposentados farão nesta quarta, feriado em São Paulo, manifestação por mudanças no texto da reforma da Previdência. O ato será às 9h na rua do Carmo, próximo à Estação Sé do metrô. Haverá shows da cantora Paula Fernandes, Edson & Hudson e Bruno & Marrone. Também serão sorteados três carros 0 km entre os participantes.

Rápidas

Será lançado 8 de fevereiro o livro Responsabilidade Civil – O que os médicos precisam minimamente saber? (Editora Espaço Jurídico), escrito pelo advogado Henrique Freire de Oliveira Souza. O lançamento será às 19h, na Livraria da Travessa do Barra Shopping *** O Passeio Shopping (RJ) promove sexta-feira e sábado o evento “É Dia de Feira”, em parceria com o Quintal da Vanessa. Quem for ao shopping poderá comprar hortaliças, legumes, além de plantas alimentícias não-convencionais (Pancs), tudo cultivado de forma natural, sem uso de agrotóxicos e de acordo com as safras *** Entre 28 e 30 de janeiro, o advogado Gabriel Di Blasi, sócio do escritório Di Blasi, Parente & Associados, participa do encontro do comitê de Estudos de Design da Federação Internacional de Advogados Especializados em Propriedade Intelectual, na Alemanha. Di Blasi é co-presidente do Comitê (CET-2).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Vacinas vendidas por até 24x o custo de produção

Aliança denuncia altos lucros dos laboratórios.

Energia rara e cara

Modelo equivocado colocou Brasil entre os campeões de tarifas elevadas.

União perde bilhões de dólares no petróleo

Lei isentou campo mais produtivo de pagamento de participações especiais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Auxílio impulsiona captação da poupança: R$ 6,37 bi em julho

Depósitos superam retiradas pelo quarto mês seguido.

Bahia e Sergipe exercerão direito de preferência em relação à Gaspetro

Privatização pode levar a monopólio de 2/3 do gás canalizado do país.

Câmara aprova projeto que privatiza os Correios

Nos EUA, ninguém pensa em abrir mão do serviço estatal.

Banco Mundial fez desembolso recorde para América Latina

Recursos para combater efeitos da pandemia na região que concentra 1 em cada 3 mortes globais.

Preço do diesel avançou quase R$ 1 por litro até julho

Valor médio registrado nos postos no último mês foi de R$ 4,803.