Caminho

A última pesquisa CNT/Vox Populi trouxe uma importante sinalização para a oposição, que tem marcado passo enquanto o Governo FH se derrete como sorvete ao sol de meio-dia. Na simulação em que não é apresentada a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o governador Itamar Franco (sem partido) aparece em segundo lugar, atrás apenas do badalado Ciro Gomes (PPS). Apesar da longa estrada a ser percorrida até 2002, a pesquisa revela que, se a oposição tiver juízo e estiver à altura das responsabilidades, pode montar um forte chapa unindo Itamar e a esquerda para enfrentar o novo queridinho do neoliberais.

Torniquete
Cresce o cerco contra os colaboradores da administração Carlos Menem. Ontem, a Justiça argentina proibiu María Julia Alsogaray, ex-secretária de Recursos Naturais de Menem de deixar o país. María, protegida de Menem durante dez anos, é acusada de enriquecimento ilícito. A proibição foi determinada pelo juiz Juan José Galeano, que ainda julgar o pedido de embargo dos seus bens declarado, que somam US$ 2,5 milhões. Se foi obra de corrupção, o enriquecimento da ex-colaboradora é merecedora de estudo de casa para economista, pois recebia apenas US$ 3,5 mil ao tempo em que atuou como interventora na empresa Enetel y Somisa e como secretária de Recursos Naturais, período em que seu patrimônio cresceu astronomicamente

Trabalho
Um debate sobre o tema “O trabalho nas novas relações de produção” e painéis sobre discriminação racial e meio ambiente serão algumas das atividades do 10º Congresso Estadual da Central Única dos Trabalhadores (CUT) do Rio de Janeiro. O encontro, no campus da UFRJ da Ilha do Fundão, começa hoje e termina domingo. A entidade prevê que compareçam aproximadamente 800 pessoas.

Eleitoral
Amanhã é o último dia para que os juízes eleitorais encaminhem para publicação a relação dos partidos e coligações que registraram candidatos e querem participar do sorteio para escolha dos locais de colocação de outdoors. O sorteio terá de ser realizado até segunda-feira. Os locais para colocação têm de obedecer a dois critérios: 50% entre partidos e coligações que tenham candidato a prefeito e 50% para os que tenham candidato a vereador. As empresas não podem cobrar mais pelos outdoors de propaganda política do que cobram normalmente para a publicidade comercial.
Quanto a propaganda no rádio e na televisão, começa amanhã o prazo para que os juízes eleitorais convoquem partidos políticos e representantes de emissoras, para que eles definam como será utilizado o horário eleitoral gratuito. A propaganda eleitoral no rádio e na televisão começa no dia 15 de agosto.

Zebra
Esta coluna lança novo bolão de apostas: acertar qual banco, honrando os princípios da concorrência e livre mercado, continuará fornecendo talões de cheques com 20 folhas, ao invés do mínimo de 10 determinado pelo Banco Central. Quem sabe um dos bancos estrangeiros que aportaram por aqui nos anos recentes, com sua “moderna tecnologia” que permitiria “baixar custos” e “aumentar a competitividade”.

Não é do ramo
Ao defender a liberação do uso de alimentos transgênicos no país, o ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, saiu-se com essa: “O Brasil não tem nada a ver com a briga entre Estados Unidos e União Européia.” Como a disputa entre os dois lados está relacionada, em boa parte, à recusa da UE a importar alimentos geneticamente modificados, para defender a saúde de seus cidadãos, a declaração de Pratini é duplamente insustentável: ética e economicamente. No primeiro caso, pelo desprezo pela saúde dos brasileiros. E no segundo, pelo desperdício da oportunidade de ocupar importantes espaços no mercado europeu, que teria nas compras do Brasil um dos principais substitutos ao cancelamento das exportações agrícolas norte-americanos.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorParaíso
Próximo artigoBasta!

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...