Caminhoneiros apoiam a greve de petroleiros

TST considera movimento ilegal e autoriza demissão dos grevistas.

Conjuntura / 22:31 - 17 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Associação Nacional dos Transportadores Autônomos do Brasil (ANTB) declarou apoio à greve dos petroleiros, iniciada em 1º de fevereiro, contra as demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen), de Araucária, no Paraná.

Os caminhoneiros autônomos da Baixada Santista, em São Paulo, realizaram manifestação no Porto de Santos nesta segunda-feira. O ato prejudicou o movimento de embarque de granéis minerais. A categoria lançou uma campanha para contra a política de reajustes de preços dos combustíveis de acordo com a variação internacional do barril de petróleo e a flutuação cambial.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários Autônomos (Sindicam), Alex Viviani, afirmou que a pauta de reivindicações inclui também piso mínimo de frete e perda de trabalho no Porto. Alex Viviani foi detido pela Polícia Federal pela manhã, mas liberado à tarde.

O ministro Ives Gandra Martins Filho, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), declarou nesta segunda-feira a ilegalidade da greve dos petroleiros, que já dura 17 dias. Gandra disse que a paralisação tem “motivação política e desrespeita ostensivamente a lei de greve e as ordens judiciais de atendimento às necessidades inadiáveis da população em seus percentuais mínimos de manutenção de trabalhadores em atividade”. O magistrado autorizou a Petrobras a adotar as medidas administrativas cabíveis aos funcionários que não retornarem ao trabalho, o que pode incluir a demissão.

Nesta terça-feira, às 16h, os petroleiros realizam o Grande Ato Unificado no Edifício-Sede da Petrobras, no Rio de Janeiro. “Em diversos lugares do mundo se guerreia pelo petróleo. Aqui se dá de graça, para que os grandes oligopólios se beneficiem. Tiram das nossas refinarias a sua capacidade, deixam a companhia ociosa para garantir o lucro das empresas estrangeiras. Essa luta não é só dos caminhoneiros, não é só dos petroleiros. É de toda a sociedade”, afirmou o presidente do Sindtac-Ijuí, Carlos Alberto Dahmer, ao Jornal Brasil Atual.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor