Caminhoneiros mantêm greve a partir da próxima segunda-feira

Motoristas cobram Petrobras para iniciar negociação.

Sem acenos concretos do governo, os caminhoneiros mantêm a greve a partir dos primeiros minutos do próximo dia 26. O Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), uma das entidades que encabeça o movimento, defende o fim do Preço de Paridade de Importação (PPI), mecanismo adotado pela Petrobras e principal responsável pelo alto custo dos combustíveis.

O preço do diesel atingiu R$ 4,594 na semana passada (média ANP). Em 2017, o óleo chegou a R$ 3,40, o que deflagrou a greve que paralisou boa parte das entregas no país.

Representantes do CNTRC reclamam que a Petrobras não chamou os caminhoneiros para negociar e tentar evitar a paralisação. Os motoristas propõem substituir o PPI pelo Preço de Paridade de Exportação (PPE), em que seria mantida a paridade internacional, mas em outras bases.

O Conselho defende a taxação da exportação de petróleo bruto como medida imediata, até que todo o processo seja analisado. “Os recursos advindos da taxação na exportação de petróleo bruto poderão ser utilizados para compensar estados e União na redução de impostos sobre combustíveis”, defendem em carta aberta ao presidente Bolsonaro.

Com muitas entidades e dispersos nacionalmente, os movimentos dos caminhoneiros esbarram ainda na divergência política, já que alguns enxergam na paralisação uma contestação ao governo, o que é negado pelas entidades. A expectativa, de todo modo, é que a greve tenha adesão. Devem continuar trabalhando os caminhoneiros ligados ao agronegócio, com faturamento em alta devido aos preços elevados das commodities e à alta produção.

Na carta a Bolsonaro, a CNTRC defende o papel estratégico da Petrobras, “um instrumento do Estado brasileiro criado para promover o desenvolvimento da nação. O fato de a companhia negociar suas ações no mercado de capitais não modifica sua finalidade original. Nos últimos anos, as finalidades da empresa têm sido desvirtuadas de forma criminosa”, acusa a entidade.

Leia também:

Diesel: preço avança no semestre e registra valor mais alto do ano

Artigos Relacionados

Aluguel por temporada impulsiona retomada do turismo

Pesquisa por pousadas supera a de hotéis aumentaram oito; busca por hostel e aluguel de temporada também tiveram crescimento expressivo.

São Paulo apresenta a relação renda/gasto mais negativa do país

Lares com auxílio governamental gastaram mais com alimentos básicos; mais da metade dos consumidores precisa de crédito.

Construção prevê o maior crescimento desde 2013

Mesmo com pandemia, escassez e aumento em custos de materiais, expectativa para o PIB do setor em 2021 subiu de 2,5% para 4%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Os ventos estão mudando

Por Afonso Costa.

Afeto e arte no Rio de Janeiro

Obrigado a todos que contribuíram para uma análise sensorial da vida pandêmica