Campo de concentração

A serem críveis os números de prisioneiros iraquianos divulgados pelos Estados Unidos, cerca de 3 mil, o presidente Bush está prestes a produzir uma contradição emblemática. Se a repressão às manifestações pacifistas continuar a recrudescer, o número de norte-americanos presos praticamente se igualará ao de iraquianos. Hoje, já existem cerca de 2 mil presos políticos nos EUA por se manifestarem contra a guerra.

Posição árabe
Depois de ressalvar que a entidade que dirige sempre optou por restringir sua atuação ao fortalecimento das relações comerciais entre o Brasil e os países árabes, abstendo-se de temas políticos, o presidente da Câmara de Comércio Árabe Brasileira (CCAB), Paulo Sérgio Atallahm, classificou a invasão do Iraque pelos Estados Unidos de “lamentável retrocesso no desenvolvimento do ser humano e das nações”: Trata-se da vitória da intolerância, da incompreensão, da violência contra a paz e harmonia entre os povos e, principalmente, contra o poder da negociação, do qual só o homem é capaz”, afirmou Atallahm, que elogiou a “posição firme e clara” defendida pela presidente Lula.

No bolso
A entidade, que representa 22 países árabes, sinaliza a possibilidade de a agressão dos EUA a um país da região pode ter reflexos nos negócios. O presidente da CCAB salienta que o novo cenário levará à necessidade de intensificar “a busca de novas parcerias estratégicas, entre as quais os países que compõem o mundo árabe continuam oferecendo uma das melhores alternativas”.

Refino
A invasão do Iraque, a curto prazo, não trará problemas para a economia brasileira. No entanto, a médio prazo, o país poderá ter sérios problemas na importação de derivados do petróleo, principalmente diesel e GLP, além de querosene de aviação, que afetam diretamente a vida da sociedade, avalia o secretário estadual de Energia e Petróleo do Rio de Janeiro, Wagner Victer. “O Brasil precisa urgentemente de um parque de refino com capacidade de suprir a demanda interna”, defende.
Victer diz que o governo brasileiro, através da Petrobras, acertou ao redirecionar no passado sua importação de petróleo de países que não estão na zona de guerra entre os Estados Unidos e o Iraque (países africanos e a Argentina).

Cerco
A partir de abril o Detran-RJ vai à caça dos 1.870 clones de veículos que circulam pelo Estado do Rio. Um software, desenvolvido pelo setor de Informática do próprio Detran, vai mapear as ruas, avenidas e estradas por onde esses automóveis costumam trafegar. O programa de computador vai revelar o itinerário desses clones com base nos dados fornecidos por pardais eletrônicos que flagram as infrações cometidas no trânsito pelos motoristas. Com base nessas informações, será acionada a polícia. A clonagem de veículos vai desde falsificações grosseiras, com uso apenas de cópias de placas aplicadas em carros de mesmo modelo e cor, até a reprodução perfeita, com direito a documentos em duplicata e numeração de chassis alterada.

Artigo anteriorPrimeirão
Próximo artigoGaragem
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Cem anos de Celso Furtado

A atualidade de um dos mais importantes intelectuais do planeta.

A Disneylândia espacial dos trilionários

Jornada nas estrelas escancara a desigualdade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Petroleiro tem maior produtividade da indústria no Brasil

Mesmo com setor extrativista, participação industrial no PIB caiu de 25% para 20%.

Exportação cresce, mas só com produtos pouco elaborados

Superávit de quase US$ 7 bilhões até a quarta semana de julho.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Os ventos estão mudando

Por Afonso Costa.