Campo do adversário

O governador Anthony Garotinho, do Rio de Janeiro, não pretende assistir sentado à ascensão do prefeito de Duque de Caxias, José Camilo Zito – que não esconde seus interesses em vôos maiores no estado. Garotinho anunciou ontem que seu governo está investindo R$ 100 milhões em Duque de Caxias. As obras contemplam principalmente asfaltamento de ruas e galerias de águas pluviais, mas abrangem também construção de casas populares e delegacias. Em toda a Baixada Fluminense – onde o governador só conseguiu eleger o prefeito da modesta Paracambi, enquanto Zito comemorou a eleição de sua mulher e irmão para as prefeituras de Magé e Belford Roxo, respectivamente – o Governo do Estado vai investir US$ 300 milhões, dentro do programa Nova Baixada. Paracambi não está entre as contempladas.

Cultura
Em comemoração aos 78 anos da Previdência Social, foi exibido anteontem pelo Ministério da Previdência o filme O Cego Estrangeiro. Fontes do ministério garantem que não é nenhuma referência ao presidente FH nem a suas declarações sobre a globalização, feitas no Palácio de Merdeka.

Pró-Davos
Cerca de 20 militantes de partidos de oposição ao governo do Rio Grande do Sul e dirigentes estudantis realizaram protesto nas escadarias de acesso ao auditório do Centro de Convenções da PUC-RS durante a abertura do Fórum Social Mundial, em Porto Alegre. Eles estenderam faixas com dizeres “Para o Fórum tem um milhão para a educação nem um tostão”. No panfleto com o título “Manifesto do movimento estudantil gaúcho”, constam as assinaturas dos DCEs da Unisinos, Ulbra, PUC-RS, entre outras. O Rio Grande do Sul tem quatro universidades federais, mas nenhuma subscreveu o manifesto. Participantes do fórum responderam com as palavras de ordem de “Fora FHC e FMI” e “Vão prá Davos” .

Suspeita
A Polícia Civil de Mauá, a 29 km de São Paulo, apreendeu uma urna eletrônica (padrão 2000), que foi jogada  em um córrego da cidade. A urna deve ser encaminhada hoje para o Instituto  de  Criminalística de São Paulo, onde será feita a perícia. No  equipamento,  não  constava  nenhum registro do Tribunal Superior Eleitoral,  como  é  o  comum.  Segundo o juiz eleitoral Hélio Marques de Faria,  responsável  pela  vigilância  das  urnas,  a cidade possui apenas quatro  urnas do padrão 2000 e nenhuma foi extraviada. A  assessoria  do  TSE, que descarta a possibilidade de fraude na eleição, informou  que,  mesmo  que  a  urna  seja  verdadeira,  não  teria nenhuma utilidade, já que os programas mudam a cada ano.

Bola rolando
Responsável por movimentar US$ 250 bilhões por ano em todo o mundo, o futebol mobiliza as atenções dos meios financeiros, acadêmicos e jornalísticos. No início da próxima semana, começa no Porto, em Portugal, o simpósio “Futebol e futuro: os desafios da qualidade”. Organizado pela Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto e pelo jornal A Bola, o evento contará com a presença do ex-presidente da Fifa João Havelange, do ex-treinador da seleção brasileira Carlos Alberto Parreira e de acadêmicos lusitanos e brasileiros. Esta coluna estará representada por Sérgio Souto, autor de Os três tempos do jogo – anonimato, fama e ostracismo no futebol brasileiro (Graphia).

Fenda
Certamente, não se deve apenas aos limitados conhecimentos de política internacional do presidente George Bush a ausência de qualquer representante do alto escalão do governo norte-americano em Davos. Apesar da sua proposta de redução de impostos beneficiar, principalmente, as famílias com renda anual superior a US$ 48 mil, Bush tem mostrado contradições, ainda bastante tímidas, ressalve-se, com a ilusão virtual que sustentou o crescimento dos EUA durante as duas administrações de Bill Clinton.

Brasil colônia
Enquanto em Porto Alegre, discutem-se alternativas de inserção não submissa à globalização, a delegação do Governo FH em Davos insiste em mendigar migalhas. A melhor síntese da posição tucana encontra-se no ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, que defende a abertura de mercado do países industrializados a produtos primários brasileiros, em troca do aumento das facilidades de acesso a produtos de maior valor agregado dos países industrializados. É a versão século XXI da República Velha.

Artigo anteriorHolocausto
Próximo artigoEstrangulamento
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Empresa pode dar justa causa a quem não se vacinar?

Advogado afirma que companhias são responsáveis pela saúde no ambiente de trabalho.

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

A cabeça do dragão

Por Gustavo Miotti.

Portugueses pedem extensão das moratórias bancárias

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) está pleiteando a prorrogação das moratórias bancárias até 31 de março de 2022”. O...

China libera reservas de metais não ferrosos para reduzir custos

A China disse que continuará a liberar suas reservas estatais de cobre, alumínio e zinco para garantir preços estáveis para as commodities e aliviar...