Candidato

Malan, que falou ontem no Rio como se fosse candidato em 2002, se refere ao “apagão” como “desequilíbrio entre oferta e demanda de energia”. Resta saber o que fará se houver uma “escassez endógena” de votos nas urnas.
Importância
Ainda segundo o Malan candidato, a “operação abafa CPI” não foi motivada pelo temor de que a corrupção fosse apurada e punida e sim para manter a agenda de votação do Congresso. Esta semana o Congresso se reúne, amanhã, para tratar de três palpitantes temas: o Projeto de Decreto Legislativo que regulamenta a destinação de recursos para obras de irrigação no Pontal Norte-Sul, em Pernambuco, o Projeto de Lei que abre crédito suplementar de R$ 70 milhões para a Câmara dos Deputados e outro Projeto de Lei que abre crédito de R$ 877 mil para a Companhia Docas do Ceará. A sessão, reunindo Senado e Câmara, está marcada para as 19h.  Já na Câmara, a pauta de votações está trancada enquanto não for apreciado o Projeto de Lei que extingue por completo a prisão especial.

Responsabilidade
A equipe econômica tenta, via imprensa “chapa branca”, responsabilizar o Ministério das Minas e Energia – entregue a políticos desde o primeiro Governo FH – pela crise de energia elétrica. Nem a velhinha de Taubaté acredita. Como mostrou matéria publicada pelo MM, os cortes impostos por Malan & Cia. nos investimentos de Eletrobrás e Furnas é que levaram o país à beira da escuridão.

Cacife
As crescentes pressões dos Estados Unidos em defesa da criação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) e de desestabilização do Mercosul são proporcionais à importância do mercado formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, que soma 400 milhões de pessoas. As exportações norte-americanas para os países do Mercosul representam 20% do comércio exterior dos EUA. Não por acaso, em artigo para o Estadão publicado no último dia 6, o ex-secretário de Estado dos EUA Henry Kissinger investe pesadamente contra o Mercosul, qualificando a preferência do Brasil por este bloco, em detrimento da Alca, de ser, não apenas “um revés para as perspectivas econômicas dos EUA”, mas também “um desafio à posição histórica dos EUA no hemisfério e à sua aspiração por uma ordem mundial baseada numa comunidade crescente de democracias nas Américas”. A histeria de Kissinger, no entanto, em vez de estimular a congênita submissão do tucanato aos interesses externos, deve ser interpretada como demonstração do largo poder de barganha que o país tem para brigar por seus legítimos interesses na arena internacional.

Austismo
O ministro das Minas e Energia, José Jorge, comparou o racionamento às situações de guerra vivida por outros países. Deve ter razão. Pelo menos, o governo está mais perdido do que cego em tiroteio.

Nos tribunais
O MST ganhou o primeiro round contra a revista Veja na batalha desencadeada por matéria, na edição de 10 de maio do ano passado, na qual a revista atribuiu ao coordenador do movimento, João Pedro Stedile, crimes variados, como violação de domicílio, formação de quadrilha, corrupção de menores e cárcere privado, além de publicar foto-montagem do líder do MST onde ele aparece segurando uma arma de fogo (pistola). Atendendo a queixa-crime do MST, o juiz da 2ª Vara Civil em São Paulo condenou, em primeira instância, a revista pagar 200 salários mínimos a Stedile. A Veja tem 15 dias para recorrer da decisão a partir do momento em que seja publicada no Diário Oficial.

Choque
Pitonisa ouvida por esta coluna afirma: junto com o racionamento virá um “tarifaço” para ninguém botar defeito. Depois, sim, “prêmios” para quem economizar energia.

Sem luz
A tardia admissão do governo da gravidade do racionamento não foi acompanhada da geração de um mínimo de sensatez no seio do tucanato. Amanhã, o governo dá prosseguimento ao desmonte do setor energético, com a privatização da Cesp. Como é conhecida a preferência dos beneficiários da privataria por tarifas elevadas em detrimento de investimentos, a venda amplifica a crise no setor de geração.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMalan sem fundamentos
Próximo artigoPaleolítico

Artigos Relacionados

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Últimas Notícias

Itália é o segundo país europeu que mais vende alimentos ao Brasil

Portugal lidera ranking; Brasil também tem nichos de mercado para alimentos da Jordânia.

Cana: safra começa com qualidade e produtividade inferiores à anterior

Indicadores de qualidade e produtividade em abril são negativos, mas clima pode contribuir para a recuperação.

Ford anuncia venda da fábrica de Taubaté

No ano passado, montadora anunciou o fim de suas atividades no país.

Títulos chineses detidos por instituições estrangeiras diminuem

Instituições estrangeiras diminuíram suas participações em títulos interbancários chineses, segundo um relatório divulgado pela sede do Banco Popular da China em Shanghai.

Operações financeiras de Shanghai estão estáveis apesar da epidemia

O centro financeiro da China, Shanghai, conseguiu manter suas operações financeiras estáveis apesar do recente ressurgimento da COVID-19.