‘Car Wash’, a origem

Os integrantes da Lava Jato costumam citar como fonte de inspiração a Operação Mãos Limpas, que aconteceu na...

Os integrantes da Lava Jato costumam citar como fonte de inspiração a Operação Mãos Limpas, que aconteceu na Itália na década de 1990. Mas os métodos utilizados são mais próximos aos empregados nos Estados Unidos, e não é à toa que os principais envolvidos na ação brasileira estiveram no Grande Irmão do Norte para estudar sua legislação e modus operandi. Essa relação fica mais evidente com as investigações lideradas por Robert Mueller, encarregado de apurar a grande “fake news” do momento: uma suposta ligação russa com campanha eleitoral dos EUA. Nomeado em maio procurador especial, Mueller chefiou o FBI de 2001 a 2013, para onde foi alçado por George W. Bush e mantido por Barack Obama. A posse no FBI ocorreu em 4 de setembro – exatamente uma semana antes do 11 de Setembro.

Esta semana, dois assessores de campanha do presidente Donald Trump foram indiciados por um tribunal de Washington e colocados em prisão domiciliar, resultado das investigações de Mueller. Os procuradores já mandaram o recado: é melhor colaborar. A ocasião parece ter sido escolhida a dedo, já que precedeu a viagem de Trump à Ásia, onde visitará cinco países em 12 dias, tendo como grande destaque a ida a Beijing, prevista para dia 8. A visita contraria Wall Street e o establishment norte-americano, que deseja os EUA longe dos chineses, especialmente da iniciativa Cinturão e Rota, um desafio do mundo produtivo à economia financeirizada.

O chamado “Russiagate” é um artifício para dar um “golpe” contra o presidente. Além de mantê-lo afastado dos chineses e russos, há o interesse do mercado em impedir que Trump reedite a Lei Glass-Steagall, revogada em novembro de 1999 após forte lobby do setor financeiro. Editada em 1933, a Lei separava as operações entre bancos comerciais e de investimento. O fim dela propiciou a espetacular especulação que está por trás das bolhas do século XXI.

A investigação de Mueller é apoiada fortemente pela imprensa. A Economist trouxe como manchete “A ameaça da mídia social à democracia”, sobre as audiências no Congresso dos EUA, afirmando que “as encrencas da Rússia são só o começo”. O vetusto The New York Times afirmou em título “Anúncio financiado pela Rússia vinculou Clinton a Satanás”, sobre um dos posts revelados pelo Facebook. Vem da nova mídia – a mesma acusada de plantar “fake news” – notícias menos engajadas sobre a mesma audiência. Sites como Recode e Axios destacam que as campanhas de Hillary Clinton e Donald Trump gastaram US$ 81 milhões em anúncios no Facebook, enquanto as “contas sob controle russo” gastaram só US$ 100 mil. O Washington Post escreveu editorial em que saúda o ex-diretor do FBI como o “anti-Trump”, o herói, defensor da ética, apesar de admitir que Mueller não deverá encontrar nada contra o presidente diretamente e que algo deverá ser feito quanto a isso. Qualquer semelhança com a Lava Jato não é coincidência.

 

O T do problema

O problema não é a ministra Luislinda Valois ter tentando receber R$ 61 mil por mês da Viúva, nem ter comparado o trabalho sem receber os cerca de R$ 28 mil acima do teto do funcionalismo a trabalho escravo. O problema também não é ser ela titular da pasta dos Direitos Humanos. O problema é ter acontecido tudo isso e ela continuar sendo ministra.

Bem, levando em conta o conjunto da obra, problema é existir o Governo Temer.

 

Pilatos

A semana termina, e Temer tomou uma decisão sobre as denúncias do ministro da Justiça, Torquato Jardim: nada fazer.

 

Rápidas

O Ipea realiza nesta segunda-feira, das 10h às 18h, o seminário internacional Legado de Mobilidade Urbana, Equidade e o Futuro do Transporte no Rio de Janeiro. O evento, no auditório do instituto no Rio, tem o apoio da Unidade de Estudos de Transporte da Universidade de Oxford (Reino Unido). E no dia seguinte lança o Boletim de Análise Político-Institucional – Política Nacional de Segurança Pública, às 14h, também no Rio *** A Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB-SP), com apoio da Investe São Paulo, realizará dia 9 o IX Fórum de Inovação e Tecnologia. Entre os temas, desafios da indústria 4.0 e os avanços do Customer Centricity e do User Experience. Será na Av. Escola Politécnica, 82, Jaguaré *** A Marinha abrirá em 9 de novembro processo seletivo para 645 vagas no Serviço Militar Voluntário (SMV) de oficiais temporários. O salário bruto inicial é de R$ 8.900, mas o contrato dura, no máximo, oito anos. Detalhes no site www.ingressonamarinha.mar.mil.br

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Mirando agora na PEC dos Precatórios

Ultrapassada a decisão do Copom, investidores vão mirar na avaliação da PEC cheia de 'jabutis' que ainda não foram retirados.

Funcionalismo público: críticas e realidade da categoria

Por Relly Amaral Ribeiro.

Scheer Churrasqueiras dobra vendas na pandemia

Empresa lançou 25 itens em sua linha residencial.

RJ terá receita extra de R$ 100 bilhões

Uma receita extra de R$ 100 bilhões nos próximos dez anos é o que prevê o governo do Estado do Rio de Janeiro com...

Forte recuperação do seguro Viagem

O seguro Viagem continua a mostrar recuperação depois de um forte período de quedas devido à pandemia da Covid-19 e às restrições impostas como...