Cargas tributárias foram aliviadas em 2021 na China

A China cortou cerca de 1,1 trilhão de iuanes (US$ 173,9 bilhões) em impostos e taxas em 2021, em meio aos esforços do país para reforçar o crescimento econômico e fortalecer a vitalidade do mercado, informou a máxima autoridade fiscal nesta quarta-feira.
No ano passado, o país implementou uma série de políticas preferenciais sobre dedução e prorrogação de impostos e taxas para fortalecer a economia industrial e apoiar micro, pequenas e médias empresas, explicou Wang Daoshu, subchefe da Administração Geral de Impostos, em uma coletiva de imprensa.

Ao todo, foram diferidos 216,2 bilhões de yuans em pagamentos de impostos para micro, pequenas e médias empresas do setor manufatureiro no ano passado, disse.
Ele acrescentou que as empresas das indústrias de carvão, energia e aquecimento tiveram cortes, descontos e prorrogação de impostos no valor de 27,1 bilhões de iuanes.
A receita tributária da China, excluindo os reembolsos tributários para exportação, ficou em 15,46 trilhões de iuanes e atingiu a meta anual do governo, observou Wang.
A receita tributária representou 15,1% do produto interno bruto do país em 2021, diminuindo 0,1 ponto percentual e 3 pontos percentuais em relação a 2020 e 2015, respectivamente, indicando que as cargas tributárias sobre as entidades de mercado foram mais aliviadas, disse.
Com Agência Xinhua

Leia também:

China: comércio exterior ultrapassa US$ 6 tri

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Itália é o segundo país europeu que mais vende alimentos ao Brasil

Portugal lidera ranking; Brasil também tem nichos de mercado para alimentos da Jordânia.

Empresas chinesas pedem proteção da propriedade intelectual

49 companhias chinesas apresentaram 108 pedidos internacionais de desenhos industriais em 5 de maio

Economia dos Estados Unidos caminha para pouso forçado

Analista acredita que no final do ano Fed pode dar guinada para sustentar Bolsas.

Últimas Notícias

Itália é o segundo país europeu que mais vende alimentos ao Brasil

Portugal lidera ranking; Brasil também tem nichos de mercado para alimentos da Jordânia.

Cana: safra começa com qualidade e produtividade inferiores à anterior

Indicadores de qualidade e produtividade em abril são negativos, mas clima pode contribuir para a recuperação.

Ford anuncia venda da fábrica de Taubaté

No ano passado, montadora anunciou o fim de suas atividades no país.

Títulos chineses detidos por instituições estrangeiras diminuem

Instituições estrangeiras diminuíram suas participações em títulos interbancários chineses, segundo um relatório divulgado pela sede do Banco Popular da China em Shanghai.

Operações financeiras de Shanghai estão estáveis apesar da epidemia

O centro financeiro da China, Shanghai, conseguiu manter suas operações financeiras estáveis apesar do recente ressurgimento da COVID-19.