Carmem Costa: Centenário terá três lives até dezembro

Nesta quarta-feira, 16 de setembro, o MIS faz homenagem à cantora, compositora e percussionista.

Registro / 01:10 - 16 de set de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Quem pensou que Carmen Costa não seria tão lembrada no ano de seu centenário de nascimento se enganou, porque “as comemorações virtuais só acabam em dezembro”. Palavras de sua sobrinha Vanúsia Basilio, uma das idealizadoras do projeto de homenagem virtual que marcou a data festiva em 5 de julho e agora volta com nova programação para fechar 2020 nesta quarta-feira e dias 20/11 e 18/12.

Nesta quarta, às 18h, o historiador Gustavo Durán recebe três convidadas especiais para falar sobre uma das mais importantes intérpretes da Época de Ouro do Rádio. O trio feminino estará pelo facebook do MIS/ Museu da Imagem e do Som entre músicas e bate-papo: a pesquisadora, produtora cultural e editora Elfi Kürten Fenske; a atriz e cantora Anna Paula Black; e Silézia Pinheiro, filha da artista homenageada com o compositor Mirabeau Pinheiro.

Para Elfi a vida e carreira de Carmen Costa serão sempre tema de conversa quando se pensa que ela enfrentou muitos desafios por ser negra e mulher muito à frente de seu tempo. Já Anna Paula Black com projeto para viver no teatro a cantora, que antes do sucesso com o nome artístico foi batizada como Carmelita Madriaga, ela era uma mulher empoderada que não levava desaforos para casa. Já sua filha Silézia se lembra da mãe com quem morava e que gostava do aconchego da família com os netos e sobrinhos por perto.

Exatamente a família que faz questão em 2020 reforçar o trabalho e manter viva a imagem da artista na memória de todos os brasileiros. Tanto que outra sobrinha, a jornalista Zilmar Basilio, também do grupo de realização da homenagem, está numa empreitada para a publicação do livro “Carmen Costa: uma Diva Negra em família”, que ela escreve a quatro mãos com o também jornalista Clóvis Corrêa. Além disso, a partir da publicação tem mais uma tarefa para a dupla realizar que é a montagem teatral, agora assinada por Corrêa e o dramaturgo Alex Morcillo, sob a ótica da família.

E Silézia Pinheiro, a única filha da cantora do rádio, assina embaixo da inciativa com alegria:

- É grande a felicidade para nossa família de poder lembrar-se do centenário da minha mãe com a programação das lives. Mesmo com essa pandemia estamos com nossos corações em festa. De Niterói a Jacarepaguá, por onde ela morou e deixou seus parentes e alguns herdeiros da sua musicalidade.

Foi através de Carmen que a família constituiu moradia na década de 30 entre Niterói e Rio de Janeiro, vindo do interior de Trajano de Moraes. Ela aos 15 anos trabalhou como doméstica na casa do cantor Francisco Alves e foi em busca do estrelato após elogios de Carmen Miranda à sua voz.

Após cantar no programa de rádio de Ary Barroso, a jovem com seu talento promissor fez coro e foi percussionista em gravações de cantores já famosos. Formou dupla com o compositor Henricão e se consagrou com o sucesso das marchinhas de carnaval.

Casou-se em Manaus com o engenheiro americano Hans Kohler, foi morar em Los Angeles, e depois participou do concerto histórico do lançamento da Bossa Nova em Nova Iorque. Seu trabalho musical foi tão diversificado que chegou a elegância e ao refinamento melódico com o jazz nos Estados Unidos, onde teve idas e voltas até o término do seu casamento. Já morando definitivamente no Brasil, em Niterói se envolveu num famoso relacionamento amoroso com o baterista Mirabeau Pinheiro.

Nos intervalos dessa sua trajetória, vários sucessos na sua voz como “Cachaça”, “Tem Nego bebo aí”, “Obsessão”, “Eu sou a outra”, “Ronda”, “Gente Humilde” e muito mais. Sem contar que foi a primeira a gravar o Hino do Cordão da Bola Preta, e uma das primeiras a gravar canções, como “Xamego”, do amigo Luiz Gonzaga.

Programação das lives: Nesta quarta-feira (16/9) – MIS/ Museu da Imagem e do Som, 18h: o historiador Gustavo Durán conversa pelo facebook com a pesquisadora, produtora cultural e editora Elfi Kürten Fenske; a atriz e cantora Anna Paula Black; e Silézia Pinheiro, filha de Carmen Costa; Dia 20/11 – A atriz e cantora Anna Paula Black conversa com convidados; No dia 18/12 – Marco Basilio, percussionista do Grupo Candongueiro e sobrinho da cantora, comanda com muito ritmo a turma de músicos da família: “Carmen Costa de Niterói ao Rio”. @marcobasiliobatuqueiro, MIS/ Museu da Imagem e do Som: facebook, Facebook: Centenário Carmen Costa, Instagram: @carmencosta.oficial.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor