Caro&pobre

A informação de que Brasília tem o metro quadrado mais caro do Brasil, de R$ 8,1 mil, confirma o recente diagnóstico do economista Júlio Gomes de Almeida, do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda: “O Brasil está ficando caro antes de ficar rico.”

Miami não é aqui
A título de comparação, um apartamento de dois quartos em Miami sai por US$ 150 mil (cerca de R$ 270 mil), menos de um décimo do preço de uma unidade do mesmo tamanho no Leblon, na Zona Sul do Rio.

Sem surpresa
“Este foi o único pacote que não criou expectativa nem antes nem durante nem depois. É mais um retalho para ser costurado.” A definição, mordaz, é do vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, ao analisar o mais recente pacote de apoio à indústria nacional.

Decência
Convidado pela presidente Dilma Rousseff para falar em nome dos presidentes das centrais sindicais presentes ao lançamento do pacote de estímulo à indústria, no Palácio do Planalto, o presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, pediu à presidente que o ela exija dos setores beneficiados a garantia do emprego e trabalho decente para seus funcionários: “Nós concordamos que um país rico é um país com sua indústria rica. Não podemos ter um país desindustrializado. É fundamental a valorização da indústria. Mas, para isso, há alguns componentes tão importantes, como a qualificação e, em especial, a manutenção do emprego”, defendeu o sindicalista.
Resta saber, que tipo de contrapartida, o governo vai pedir dos empresários pela renúncia fiscal oferecida à indústria.

Prato frio
A avaliação é de um ex-senador tucano: “Você se lembra quando Demóstenes enfrentou o Sarney no plenário do Congresso? Sarney respondeu algo como: “Você vai ver como um homem reage a essa provocação.””

Jorrando
Aliás, pela quantidade de políticos cujas ligações com Carlinhos Cachoeira já foram identificadas pela Polícia Federal e silêncio estrondoso e a cautela excessiva dos principais partidos, o contraventor deveria mudar de apelido. Em lugar de Cachoeira, deveria ser chamado de Pororoca.

Efeito Salomé
O prefeito de Passo Fundo (RS), Airton Dipp, está sendo pressionado por entidades e personalidades da cidades a prestar uma homenagem ao humorista Chico Anysio. Os defensores da homenagem argumentam que, depois da criação da personagem Salomé, que mantinha conversas telefônicas com o então ditador general João Figueiredo, a cidade das Serra Gaúcha entrou para o cenário nacional.

Integração
Venezuela e Argentina negociam para elevar a corrente de comércio (exportações e importações) entre os dois países, de cerca de US$ 2 bilhões para US$ 3,5 bilhões, em dois a três anos. A meta foi anunciada pelo ministro do Planejamento da Argentina, Julio de Vido, que se reuniu, em Caracas, com o chanceler da Venezuela, Nicolás Maduro.
Para justificar a capacidade de alcançarem a meta, De Vido lembrou que, em 2006, os negócios entre os dois países giravam apenas US$ 526 milhões, tendo crescido quase quatro vezes até 2011.

Relação digital
Os dois ministros também assinaram acordos para a instalação na Venezuela de 13 estações de TV digital, incluindo a implantação de 23 mil km de fibra óptica para otimizar a produção de conteúdo nacional. O acordo pode resultar ainda na importação de 300 mil a 600 mil decodificadores argentinos. A venda das estações e de outros equipamentos deve movimentar US$ 45 milhões.

Pés de barro
Depois da exposição das vísceras do ainda senador Demóstenes Torres, a imprensa tupiniquim está prestes a ter de lidar com a desconstrução da imagem de outro dos seus eleitos. Com a política de UPPs fazendo água no Rio, o secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, ainda que por razões bem variadas das de Demóstenes, deve deixar de ser objeto de edulcuração pela imprensa a favor até demais. Já o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), continua protegida pela blindagem nível seis.

Artigo anteriorSem final feliz
Próximo artigoExplosão grega
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração. 

Sony deixará de vender áudio e vídeo no Brasil

Multinacional japonesa venderá aqui apenas consoles de games importados.

ISM Manufacturing teve a maior leitura desde fevereiro de 2018

Expectativa é de melhora continuada dado o avanço da vacinação, bem como o estímulo fiscal projetado para ser aprovado em meados de março.

Rede estadual de ensino do Rio volta hoje às aulas

Alunos terão aulas remotas e presenciais, com turmas em sala de aula em dias alternados em função da pandemia.