Caros e sem transparência

Vereadores de São Paulo classificaram o Tribunal de Contas do Município (TCM) como um órgão de baixíssima transparência, que custa caro e serve para acomodar indicações políticas. Em evento esta semana, Eduardo Suplicy (PT), Gilberto Natalini (PV), José Police Neto (PSD) e Soninha Francine (PPS) chegaram inclusive a defender a extinção do TCM, incorporando suas funções de fiscalização ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), assim como ocorre com os demais municípios de São Paulo. Somente as capitais paulista e fluminense têm tribunais exclusivos. O Distrito Federal também tem TC próprio. Bahia, Goiás e Pará contam com um órgão para todos os municípios. Nos demais estados, a função é do TCE. O orçamento do TCM paulistano chega a ser igual ao somatório dos recursos de oito prefeituras regionais.

O problema não é só a existência dos TCMs. Os tribunais de contas acabaram virando problemas maiores do que aqueles que deveriam fiscalizar. No TCE do Rio, cinco conselheiros foram afastados pela justiça e um ex-presidente está preso. Em vários casos, as dificuldades impostas pelos órgãos são acompanhadas de facilidades negociadas nos restaurantes de luxo. A coluna já relatou, certa ocasião, o caso de uma empresa de engenharia de pequeno porte que venceu uma concorrência no Norte Fluminense. O TCE a bombardeou com extensa lista de perguntas para esclarecer dúvidas e aprovar os pagamentos. Para uma grande empreiteira que comandava o grosso das obras, apenas duas singelas questões.

 

Contrabando

O comércio ilícito representa mais de 10% do mercado mundial de cigarros e este número é significativamente maior em países de baixa e média renda, com até 50% de cigarros provenientes de fontes ilícitas. Para travar o problema, foi criado o Protocolo para Eliminar o Comércio Ilícito de Produtos de Tabaco, adotado em novembro de 2012, mas que só se tornará juridicamente válido quando 40 países assinarem – apenas 35 o fizeram formalmente até agora.

De acordo com o presidente do SindiTabaco, Iro Schünke, o setor aguarda a adesão do Brasil ao Protocolo: “Por ser um problema complexo, o mercado ilegal deve ser enfrentado com iniciativas diversas e complementares, como o fortalecimento das autoridades de combate e repressão, maior controle de fronteiras e severidade de penas aos infratores. Precisamos de mais ferramentas para tratar o problema que tem afetado não somente o nosso produto, como outros da economia brasileira”, comenta.

 

Mão na roda

Tirar carteira de trabalho no Rio de Janeiro pode demorar meses – e olha que o mercado está mais para demitir do que contratar. Para dar uma mãozinha, o Detran-RJ fechou parceria com o Ministério do Trabalho para oferecer emissão da CTPS. Nesta quinta-feira, data da fundação da Cidade Maravilhosa, o mutirão de serviços estará na Praça Mauá, das 8h às 16h. na sexta, das 9h às 16h, na Central do Brasil.

O Detran Presente procura desafogar o órgão e faz serviços de emissão da identidade, renovação da carteira nacional de habilitação, licenciamento anual sem vistoria e abertura de recursos contra multas e de processo de suspensão.

Esta parceria com o Ministério do Trabalho ajuda ainda mais nossa ação. O cidadão é o maior beneficiado”, destacou Vinicius Farah, presidente do Detran-RJ.

 

Séculos

Dez em dez integrantes da elite brasileira repetem o mantra que o país só conseguirá se desenvolver se melhorar a Educação. Relatório do Banco Mundial estima que o Brasil vá demorar 260 anos para atingir o nível educacional de países desenvolvidos em Leitura e 75 anos em Matemática. A mesma elite, quando no poder, corta verbas da Educação.

 

Rápidas

A FGV realiza no dia 5 debate sobre os desafios do Ensino Médio no Brasil. O evento também terá o lançamento do livro Desafios do Ensino Médio (Editora FGV). Participam José Henrique Paim, ex-ministro da Educação, e Wagner Victer, secretário estadual de Educação do Rio de Janeiro, entre outros. Inscrições em http://editora.fgv.br/eventos/ *** A FMP/Fase está com inscrições abertas para a segunda turma do curso de extensão em Qualidade no Atendimento ao Cliente. As aulas estão previstas para os dias 10, 12, 17 e 19 de abril, das 19h às 21h, em Petrópolis *** O 1° Encontro de Mulheres Empreendedoras acontecerá em 24 de março no Centro de São Gonçalo. Informações e inscrições: https://www.sympla.com.br/1-encontro-de-mulheres-empreendedoras-em-sao-goncalo__247403

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Juntar 2 meses e meio de auxílio para comprar cesta básica

Não só a pandemia, mas inflação é ameaça às pretensões de Bolsonaro.

Se mirar Nordeste, Bolsonaro atingirá o próprio pé

Região tem menor média de casos e óbitos causados pela Covid.

Neodefensores do trabalhador ignoraram crise

Desemprego já era estratosférico em 2019, e apoiadores de Guedes nem ligavam.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.