Caso ‘Americanas’ deve acelerar uso de TI emergente nos processos de due dilligence

126
Web rede. Imagem: divulgação

Além dos prejuízos milionários espalhados por todo o ecossistema econômico, o caso das Lojas Americanas traz como consequência a constatação sobre a necessidade de as empresas e os investidores intensificarem processos de Due Dilligence com o uso de tecnologias emergentes. Isso porque apesar do reconhecimento sobre os avanços oferecidos por este tipo de ferramenta, a pesquisa Hype Cycle para Tecnologias Jurídicas e de Conformidade, publicado pelo Gartner, revelou que instrumentos tecnológicos que atuam no gerenciamento de questões relacionadas ao setor, hoje, ainda têm uma penetração inferior a 50% nos departamentos jurídicos.

O CEO da plataforma SaaS para compliance, Kronoos, Alexandre Pegoraro, explica que uma das vertentes do processo de due dilligence trata justamente do tipo de informações que motivaram os erros do caso Americanas.

Segundo ele, o serviço se refere a ações como a revisão dos relatórios financeiros da empresa, balanços, demonstrações de lucros, perdas e fluxos de caixa, entre outras que são usadas para avaliar sua situação e compreender suas operações financeiras. A prática também inclui a verificação de sua situação fiscal e a realização de projeções financeiras futuras para avaliar seu potencial de crescimento e rentabilidade. Além disso, a due diligence também pode incluir uma avaliação dos riscos financeiros da empresa, incluindo a análise de sua capacidade de honrar suas dívidas e sua exposição a riscos cambiais e de mercado.

“A melhor forma de aumentar a confiabilidade dos dados do estudo é incluir uma ampla gama de fontes confiáveis, mas isto torna o processo complexo e praticamente inviabiliza sua realização de forma manual. Por outro lado, já existem sistemas inteligentes que consultam mais de 3.500 fontes em questão de segundos. Casos como o das Lojas Americanas jogam luz sobre a relação custo/benefício de apostar na tecnologia para obter esse conforto na tomada de decisão”, diz.

Espaço Publicitáriocnseg

Para o diretor de consultoria na prática Gartner Legal, Risk & Compliance, Zack Hutto, o fato de pelo menos metade dos departamentos jurídicos não terem implementado sistemas tecnológicos emergentes significa que inovações mais sofisticadas serão muito mais difíceis de explorar com sucesso. “Os departamentos estão perdendo ganhos de eficiência significativos a cada dia, enquanto esses sistemas fundamentais não estão em vigor”, explicou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui