Catástrofes

Segundo levantamento da resseguradora Munich Re, 2010 foi o segundo ano com o maior volume de catástrofes (só perdendo para 2007), desde que o levantamento foi iniciado, em 1980. Em 2010, houve 960 eventos, com uma perda global de US$ 150 bilhões, sendo US$ 37 bilhões cobertos por seguro.
Furacões não foram os principais responsáveis. Vulcões e terremotos foram os vilões, juntamente com eventos atribuídos diretamente ao clima. Estes, porém, têm se mantido em níveis mais ou menos estáveis nas duas últimas décadas.

Pobre Haiti
O maior desastre foi o terremoto no Haiti, com mais de 222 mil mortos, perdas estimadas em US$ 8 bilhões – mas apenas US$ 200 milhões em seguros pagos. O terremoto no Chile provocou 520 mortes, mas o prejuízo foi recorde: US$ 30 bilhões, sendo US$ 8 bilhões bancados pelas seguradoras.

Morro abaixo
Entre as 50 maiores catástrofes, o Brasil teve duas (mais especificamente, o Rio de Janeiro: Angra, no início do ano, e Niterói e adjacências, em abril), totalizando 330 mortes e US$ 130 milhões de dólares em prejuízos. Com as chuvas do início do ano na Região Serrana do Rio, o Brasil, infelizmente, estará também na lista de 2011.

Antiburocracia
Em votação simbólica, a Câmara dos Deputados aprovou modificações na MP 507, retirando o artigo 5º, que obrigava profissionais, entre eles contabilistas e advogados, e empresas a apresentarem procuração pública para que terceiros praticassem atos perante o órgão da administração pública que implicassem em fornecimento de dados protegidos pelo sigilo fiscal.

Mata&esfola
A nova alta da taxa básica de juros (Selic) perpetrada pelo Banco Central apenas dois dias depois de a equipe econômica detalhar o corte de R$ 50 bilhões no Orçamento confirma que, longe de existir no interior do governo uma batalha entre “desenvolvimentistas” e monetaristas, o país está diante de um ataque duplo ao crescimento. Nele, cabe ao BC asfixiar a economia recorrendo à alta dos mesmos juros que remuneram rentistas e explodem a dívida pública. Já à Fazenda é destinado o papel de fechar o cerco apertando o torniquete fiscal. Em linguagem mais direta, um mata e outro esfola.

Polianismo punido
A revogação da nomeação de Emir Sader para a Casa de Rui Barbosa, antes mesmo de tomar posse, reafirma para os ainda crédulos como são frágeis e tênues as razões para os que, dentro do PT, ainda conservam o pensamento crítico como Sader perseverarem na crença na existência de “um governo em disputa”.

Maduro
O Partido Verde, aliado do Fianna Fáil no governo irlandês, quase foi extinto nas recentes eleições: obteve menos de 3% dos votos. De seus atuais seis deputados, ficará com apenas um.

Artigo anteriorContábil
Próximo artigoRetrato inicial
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Taxa de carbono vai custar quase € 800 mi à Turquia

Os exportadores turcos de produtos com alto consumo de energia, como cimento, aço e alumínio, poderão enfrentar custos adicionais exorbitantes quando as propostas legislativas...

Sonho da casa própria fica mais distante

Contratação de moradias com recursos do FGTS cai ano após ano.

Moeda chinesa na mira dos bancos centrais

Participação como reserva internacional ainda é baixa… por enquanto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado de TI é alavancado pela pandemia

Tetris IT, empresa que desenvolve projetos de inovação digital, cresceu 300% em 2020.

Ações da ClearSale valorizam mais de 20% na estreia na B3

A ClearSale (ticker CLSA3) concluiu nesta sexta-feira a sua oferta pública inicial (IPO) na B3. A oferta movimentou R$ 1,3 bilhão sendo que, apenas...

Edital da Oferta Permanente inclui 377 blocos

A Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural (ANP) publicou nesta sexta-feira nova versão do edital da Oferta Permanente, com a inclusão de 377...

Multa de R$ 500 mil para ‘fake’ sobre eleição

Uma multa de R$ 500 mil, caso repita as manifestações que questionem os últimos pleitos presidenciais realizados no país, faz parte uma ação que...

Bacia de Campos recua com redução drástica de investimentos

A Bacia de Campos, atualmente a segunda maior região produtora de petróleo do Brasil, registrou em junho a sua menor produção média dos últimos...