28.1 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 24, 2021

Catástrofes

Segundo levantamento da resseguradora Munich Re, 2010 foi o segundo ano com o maior volume de catástrofes (só perdendo para 2007), desde que o levantamento foi iniciado, em 1980. Em 2010, houve 960 eventos, com uma perda global de US$ 150 bilhões, sendo US$ 37 bilhões cobertos por seguro.
Furacões não foram os principais responsáveis. Vulcões e terremotos foram os vilões, juntamente com eventos atribuídos diretamente ao clima. Estes, porém, têm se mantido em níveis mais ou menos estáveis nas duas últimas décadas.

Pobre Haiti
O maior desastre foi o terremoto no Haiti, com mais de 222 mil mortos, perdas estimadas em US$ 8 bilhões – mas apenas US$ 200 milhões em seguros pagos. O terremoto no Chile provocou 520 mortes, mas o prejuízo foi recorde: US$ 30 bilhões, sendo US$ 8 bilhões bancados pelas seguradoras.

Morro abaixo
Entre as 50 maiores catástrofes, o Brasil teve duas (mais especificamente, o Rio de Janeiro: Angra, no início do ano, e Niterói e adjacências, em abril), totalizando 330 mortes e US$ 130 milhões de dólares em prejuízos. Com as chuvas do início do ano na Região Serrana do Rio, o Brasil, infelizmente, estará também na lista de 2011.

Antiburocracia
Em votação simbólica, a Câmara dos Deputados aprovou modificações na MP 507, retirando o artigo 5º, que obrigava profissionais, entre eles contabilistas e advogados, e empresas a apresentarem procuração pública para que terceiros praticassem atos perante o órgão da administração pública que implicassem em fornecimento de dados protegidos pelo sigilo fiscal.

Mata&esfola
A nova alta da taxa básica de juros (Selic) perpetrada pelo Banco Central apenas dois dias depois de a equipe econômica detalhar o corte de R$ 50 bilhões no Orçamento confirma que, longe de existir no interior do governo uma batalha entre “desenvolvimentistas” e monetaristas, o país está diante de um ataque duplo ao crescimento. Nele, cabe ao BC asfixiar a economia recorrendo à alta dos mesmos juros que remuneram rentistas e explodem a dívida pública. Já à Fazenda é destinado o papel de fechar o cerco apertando o torniquete fiscal. Em linguagem mais direta, um mata e outro esfola.

Polianismo punido
A revogação da nomeação de Emir Sader para a Casa de Rui Barbosa, antes mesmo de tomar posse, reafirma para os ainda crédulos como são frágeis e tênues as razões para os que, dentro do PT, ainda conservam o pensamento crítico como Sader perseverarem na crença na existência de “um governo em disputa”.

Maduro
O Partido Verde, aliado do Fianna Fáil no governo irlandês, quase foi extinto nas recentes eleições: obteve menos de 3% dos votos. De seus atuais seis deputados, ficará com apenas um.

Artigo anteriorContábil
Próximo artigoRetrato inicial
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.