Caçada

Os ataques ao MST não se limitam à verborragia do ministro Raul Jugmman. Somente este ano, dez integrantes do movimento foram assassinados, enquanto 180 líderes respondem a processos criminais. Ademais, seis militantes cumprem pena de oito anos de reclusão por crime de dano a bem público (instalações de um posto de pedágio em rodovia estadual paulista). Os dados fazem parte de manifesto divulgado ontem, em São Paulo, e assinado por quatro importantes personalidades do país: o jurista Fábio Konder Comparato, o geógrafo Milton Santos, o ex-deputado federal e consultor da FAO Plínio de Arruda Sampaio e o presidente nacional da Comissão Pastoral da Terra, dom Tomás Balduíno. O documento denuncia que o governo pretende “liquidar o MST, da mesma
forma como foram liquidadas as Ligas Camponesas nos primeiros meses do
regime militar”.

Vítimas anônimas
A General Motors recorreu a um argumento, no mínimo, curioso para justificar sua recusa a revelar ao Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), da Secretaria de Direito Econômico (SDE), os nomes das vítimas de acidentes causados por falhas no cinto de segurança do modelo Corsa fabricados até 1999. Segundo a GM, os nomes das vítimas não poderiam ser revelados por “questão de privacidade”.

Escudo
Jornais editados no Município do Rio estão sendo usados como munição na guerra do segundo turno de Niterói. Partidários de Sérgio Zveiter, candidato do PMDB, estão distribuindo uma exótica edição especial do Povo do Rio dedicada à cidade vizinha – o expediente já fora usado no primeiro turno. Matéria em três páginas ataca o candidato à reeleição e favorito Jorge Roberto Silveira. Já os partidários do atual prefeito contra-atacam e distribuem a Gazeta de Notícias – jornal que até no Rio é difícil de ser encontrado – com acusações a Zveiter.

Mercado
Os Estados Unidos têm 14 milhões de consumidores de droga, 5 milhões dos quais viciados, além de amargarem cerca de 50 mil mortes anuais pela mesma causa. Apesar disso, Washington insiste em atacar o problema pelo lado da oferta, em vez de reduzir a demanda. Do orçamento antidrogas norte-americano, 67% são destinados a desenvolver ações repressivas fora do território dos EUA. No front interno, 60% dos presos por envolvimento com drogas são negros, situação que contrasta com os poucos resultados apresentados contra o baronato do narcotráfico.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA salvo
Próximo artigoImaginário

Artigos Relacionados

Rio manda R$ 2,4 tri para União e só recebe R$ 171 milhões

Estado é um dos mais prejudicados da Federação.

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...