Caudatários

Caudatários
Historicamente subalterna a sua congênere estadunidense, a imprensa tupiniquim conseguiu superar-se. Decidiu tratar um dos principais símbolos da confraternização entre os povos – a camisa da seleção brasileira, entregue pelo ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge, ao presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad – como um fato negativo, uma espécie de provocação à comunidade internacional, nome coletivo nesses meios para os interesses dos Estados Unidos. Para esse tipo de escribas, notícia positiva é defender um país, que, tendo sido o único a usar bombas atômicos contra seres humanos, arvora-se o direito de definir quem pode ou não desenvolver energia nuclear. Ou seja, entre a amarelinha e as bombas, essa imprensa fica com as estas.

“Ditabranda”, versão 2010
Sem ter recebido procuração da ex-ministra Dilma Rousseff, nem de ex-exilados, esta coluna não pode se furtar a comentar a falsa polêmica em que a pré-candidata do PT teria alfinetado o ex-governador José Serra e, de quebra, atingido todos que foram obrigados a deixar o país para fugir da repressão na ditadura militar.
Dilma nega a frase (“Eu não fugi da luta e não deixei o Brasil”), e, pela trajetória dela, fica difícil não acreditar na palavra da ex-ministra, ao menos, neste caso. Ainda mais porque a suposta frase foi publicada inicialmente na Folha de S.Paulo, jornal cujas ligações com os setores militares mais retrógrados ainda não foi suficientemente esclarecida. E que, ano passado, em editorial à guisa de atacar Hugo Chávez, asseverou que o menor número de mortos e torturados pela ditadura brasileira a transformavam o regime brasileiro, na ótica do jornal, em “ditabranda”. Diante da repercussão da defesa envergonhada da ditadura, o jornal ensaiou recuo igualmente constrangido, mas a alma já fora exposta.
Dilma e Folha, portanto, estiveram e ainda estão em campos opostos. Dilma falou que “não foge da luta” – e, ainda que possam ser feitas críticas a uma ou outra posição por ela assumida, não há como deixar de ver que ela esteve e continua no campo progressista. Já a Folha…

Gostam é de lavar roupa suja
Os meios de comunicação reclamam, antes e durante as campanhas, que os candidatos não são programáticos, não expõem claramente suas idéias sobre os problemas do país e sobre o que pretendem fazer. Mas as coberturas das campanhas não tratam nem destacam o que criticam. A análise consta de livro de Kathleen Jamieson, pesquisadora estadunidense especialista em Comunicação, citada pelo ex-prefeito e aspirante a analista político Cesar Maia.
Análise da especialista das campanhas presidenciais nos Estados Unidos desde Kennedy a Clinton mostrou que os comerciais na TV mais eficientes e que geram maior adesão e memória são os de “contraste”, nos quais um candidato, ao explicitar uma posição sobre um tema, diz que o adversário pensa o contrário. Depois vêm os comerciais negativos, nos quais se ataca o adversário. Kathleen diz que o comercial negativo gera uma reação no momento em que é visto, mas o efeito passa e a memória fica. Finalmente, o comercial defensivo, quando um político exalta o que fez. Esses são os que menos permanecem na memória dos eleitores.

Raio X
Mercado em franca expansão, a radiologia terá formação específica no curso Especialização em Ciências Radiológicas, que o grupo Anglo-Americano realizará, em parceria com a Máster Cursos, no próximo dia 27. Voltado para tecnólogos em radiologia, médicos veterinários e dentistas, as aulas acontecerão quinzenalmente, aos sábados, na Barra da Tijuca (Rio de Janeiro). A duração é de 15 meses.

Capitalismo
A transformação do SCPC da Associação Comercial de São Paulo em empresa privada, e lucrativa, parece seguir o mesmo modelo da Bolsa de Valores (Bovespa): após mais de um século de isenção de tributos, os associados colocam ações no mercado, “criam” uma forte empresa e embolsam bela quantia.

Feliz ano velho
O Correios se superou desta vez. A Redação do MM recebeu nesta quarta-feira cartão da Fecomercio-SP com votos de… Boas Festas e Feliz 2010! Para não correr o mesmo risco, a equipe prefere retribuir os votos através desta nota.

Artigo anteriorMister M
Próximo artigoClientela
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Entrega da Eletrobras representaria 0,05% da dívida

Saída do presidente da estatal deixou mercado financeiro certo de que privatização já era.

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Custo da construção sobe 0,93% em janeiro

Segundo a FGV, índice acumula inflação de 9,39% em 12 meses.

Bolsas operam mistas à espera de balanços de grandes empresas

Às 7h25, Bolsa de Paris se valorizava 0,94%.

Omissão em documento laboral deve ser resolvida na Justiça do Trabalho

Decisão afasta ações contra o INSS por possíveis erros cometidos pelas empresas.

Biden retoma restrições a viajantes que chegam do Brasil

Medida também afetará quem não é cidadão norte-americano que viaje a partir do Reino Unido e África do Sul.

Ação contra McDonald’s já beneficiou mais de 3 mil trabalhadores

Justiça reconheceu direito a maior pagamento de participação nos resultados.