Cedae: água fornecida está nos parâmetros para consumo humano

Empresa vai usar carvão ativado para evitar alterações na água do Rio.

Rio de Janeiro / 11:12 - 10 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Companhia de Águas e Esgotos do Estado (Cedae) vai adotar em caráter permanente a aplicação de carvão ativado pulverizado no início do tratamento da água distribuída pelo reservatório do Guandu a grande parte da população do Rio de Janeiro. A medida será adotada pela companhia de distribuição de água para reter a alga geosmina, que tem causado cheiro forte e turbidez na água distribuída.

Em nota, a companhia informou que, embora tenha decidido pelo uso do carvão, todos os testes realizados pela Cedae apontaram que a água fornecida à população está dentro dos parâmetros exigidos pelo Ministério da Saúde para o consumo humano. A companhia já deu ordem para a aquisição do carvão ativado que deverá ser aplicado no reservatório do Guandu próximos dias.

A medida foi tomada depois que consumidores de vários bairros da capital e da Baixada Fluminense reclamaram da cor turva e do cheiro forte da água servida à população.

Segundo a Cedae, esse método vem sendo utilizado em estados como São Paulo, Bahia, Rio Grande do Sul, por exemplo, onde o problema tem maior recorrência. A última vez que a companhia identificou a presença de geosmina na água foi em 2004 e, na época, avaliou-se que não seria necessário adotar medida semelhante.

Segundo a companhia, amostras analisadas desde terça-feira na Estação de Tratamento do Guandu não apresentaram alteração quanto ao cheiro e ao gosto. Ao longo do sistema, porém, a água ainda pode apresentar gosto e cheiro alterados em alguns locais. Por isto, a Cedae continuará monitorando todo o sistema de abastecimento ao longo da semana.

A geosmina é uma substância orgânica produzida por algas e que, segundo a Cedae, não representa risco à saúde dos consumidores. De acordo com a companhia, "a substância não oferece riscos à saúde, mas altera o gosto e o cheiro da água. O fenômeno natural e raro de aumento de algas em mananciais, em função de variações de temperatura, luminosidade e índice pluviométrico, causa o aumento da presença deste composto orgânico, levando a água a apresentar gosto e cheiro de terra".

 

Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor