Centrais sindicais vão ao Congresso pressionar pelos R$ 600

247

Os presidentes das centrais sindicais chegam hoje a Brasília para ação da campanha "600 Pelo Brasil – Coloca o Auxílio Emergencial pra votar, Maia", lançada em 17 de setembro. Os sindicalistas irão percorrer o Congresso Nacional para defender junto às lideranças partidárias a importância de votar imediatamente a Medida Provisória 1.000/2020, que prorroga o pagamento do auxílio até dezembro, mas retomando o valor em R$ 600 – o governo Bolsonaro cortou para R$ 300.

 O auxílio emergencial de R$ 600 é uma vitória das centrais sindicais e das bancadas de oposição, que com muita pressão e mobilização evitaram que o valor fosse de R$ 200, como propôs o governo Jair Bolsonaro (sem partido).

"Conclamamos parlamentares e partidos para um amplo diálogo social compromissado com a nação brasileira, com o desenvolvimento econômico sustentável, com a justiça social, diálogo esse que deve agora materializar-se na manutenção do auxílio emergencial de R$ 600 até dezembro", diz trecho do documento assinado pela CUT e pelas demais centrais sindicais, que será entregue aos parlamentares, em mãos, nessa terça-feira.

A CUT, Força, UGT, CTB, CSB, NCST, CGTB, Intersindical, CSP-Conlutas, Intersindical Instrumento de Luta e Pública lançaram em 17 de setembro campanha nacional unitária para pressionar o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, a colocar em votação a MP 1.000/2020. A medida publicada pelo governo federal em 3 de setembro prorroga o auxílio emergencial, mas corta o valor de R$ 600 para R$ 300.

Espaço Publicitáriocnseg

A Ccmpanha lançou abaixo-assinado, ações de rede e nos locais de trabalho. No Congresso Nacional, vai dialogar e pressionar o voto de cada parlamentar para que o valor do auxílio volte a ser de R$ 600 (R$ 1.200 para mães chefes de família). Das 262 emendas de deputados e senadores à MP 1000, boa parte propõe valor superior aos R$ 300. Mas para que isso aconteça, a Câmara dos Deputados precisa colocar a Medida Provisória em votação e a pressão e o trabalho de convencimento dos parlamentares tem que ser permanentes.

Nesta terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro disse que o governo está aberto a sugestões dos líderes partidários para propostas que visem à recuperação da economia e o enfrentamento dos problemas sociais que podem surgir a partir do próximo ano. O estado de emergência em razão da pandemia da Covid-19 acaba em 31 de dezembro, assim como o pagamento do auxílio emergencial aos cidadãos mais vulneráveis.

"O meu governo busca se antecipar aos graves problemas sociais que podem surgir em 2021, caso nada se faça para atender a essa massa que tudo, ou quase tudo, perdeu. A responsabilidade fiscal e o respeito ao teto são os trilhos da economia. Estamos abertos a sugestões juntamente com os líderes partidários", escreveu em publicação nas redes sociais.

 

Com informações da Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui