Centralizar

A agência de classificação Fitch comemora a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), em vigor desde o ano 2000, que “melhorou a capacidade de planejamento, sustentabilidade e visibilidade das contas fiscais”. “A introdução da LRF permitiu que os estados e municípios brasileiros melhorassem sua situação creditícia. Isto se deve, em parte, ao papel mais forte do Governo Federal no acompanhamento das finanças públicas”, diz a agência norte-americana.
Traduzindo para o português: a LRF ajudou a concentrar o controle nas mãos dos tecnocratas da equipe econômica federal, sem dar espaço para governadores que não rezem pela cartilha do “corte de gastos para pagar a dívida”.

Capitulacionismo
Pela segunda vez num intervalo inferior a um mês, a presidente Dilma Housseff mistura manifestações protocolares de governo com adesão política ao ideário tucano, ao se manifestar em relação a questões pessoais relativas a próceres do PSDB.
Depois de atribuir ao ex-presidente FH um papel antagônico ao como ele é percebido pela grande maioria dos brasileiros, Dilma, agora, ao homenagear o ex-ministro da Educação Paulo Renato, remove aspectos fundamentais da  passagem dele por aquele ministério, como a tentativa declarada de privatizar o ensino universitário, que, embora tenha falhado, resultou no sucateamento das universidades federais e a uma das mais longas greve do setor, e na proliferação do ensino fast food em que foram transformadas a grande maioria das instituições privadas de terceiro grau.
Homenagear ex-ministro por ocasião de sua morte é praxe em democracias. Aproveitar esse tipo de evento para fazer a apologia de políticas impopulares e cujo combate ajudaram a levar o PT ao poder é, além de grave erro político, um dos piores tipos de capitulacionismo.

Tem lado
Ao optar pela decretação unilateral da prisão do presidente da Líbia, Muamar Kadafi, e mais dois colaboradores, ignorando as mortes de civis infligidas pelos separatistas líbios e, principalmente, pelos bombardeios da Otan, o Tribunal Penal Internacional (TPI) assume, abertamente, o engajamento por um dos lados em conflito. Parece, assim, ao dar razão à reação de Kadafi, que acusou o TPI de ter sido criado para “julgar os líderes do Terceiro Mundo”.

Minas separada
Enquanto o conjunto dos tribunais das 2ª, 3ª, 4ª e 5ª regiões é responsável por 13 estados, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região, na qual Minas Gerais está incluído, responde por 14 unidades da federação. A afirmação, em tom de reclamação, é do senador Clésio Andrade, presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), que critica a lentidão da justiça federal em seu estado. O senador atribui a parcela principal da culpa à concentração de estados na 1ª Região e defende a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 544, que cria quatro novos TRFs – um só para Minas.

Controle
Quem deseja controlar melhor suas finanças pode contar com a ajuda de programas financeiros, como o Yupee (www.yupee.com.br). O programa, totalmente online, permite que o usuário visualize seus gastos diários, mensais e pode compará-los com o mesmo período de anos anteriores. E como o objetivo é ajudar a gastar menos, o serviço é gratuito.

Mar de almirante
Dos 414 cruzeiros marítimos que passaram pelo litoral brasileiro na temporada 2010/2011 -entre outubro de 2010 e maio – 210 fizeram escala no Porto do Rio de Janeiro. O total equivale a 50,72% de todos os roteiros, segundo levantamento da Fundação Getúlio Vargas (FGV) a pedido da Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Abremar). Ainda segundo a pesquisa, o município do Rio de Janeiro recebeu R$ 102,9 milhões em gastos de turistas e tripulantes com passeios turísticos, alimentos e bebidas, transporte, souvenir e presentes em geral.
“O Rio sempre foi um destino muito procurado por quem viaja em cruzeiros marítimos, tanto pela beleza de suas praias, quanto pelo famoso charme de Leblon, Ipanema e de outros bairros. E, pelo estudo, podemos observar que os navios movimentam e beneficiam amplamente os setores de comércio e serviço locais”, afirma o presidente da Abremar, Ricardo Amaral:

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anterior“Big shame” O bama
Próximo artigoMenina do Rio

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Rio tem opções de áreas para termelétricas

Estado tem as melhores características na Região Sudeste, diz Wagner Victer.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.