25.6 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, janeiro 22, 2021

Centralização

Presente em Porto Alegre para o III Fórum Social Mundial, Paulo Passarinho, diretor do Sindicato dos Economistas (Sindecon-RJ) e membro do Conselho Regional (Corecon-RJ), voltou a criticar o engessamento da economia via políticas de ajuste fiscal e a denunciar o que considera um (pré)conceito: o superávit primário (não inclui gastos com juros). “A Alemanha, França e demais países da União Européia têm como meta um déficit nominal (inclui juros) de 3% do PIB e também enfrentam problemas de estagnação. O superávit primário exclui da contabilidade o principal gasto”. Passarinho é favorável à centralização do câmbio no BC para permitir uma queda forte nos juros sem que os especuladores corram para o dólar. Ele considera também que os juros nas alturas alimentam a inflação, e não o contrário como afirmam alguns economistas.

Ficha limpa
Com base nos dados divulgados ontem pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-RJ), as vendas do mês de dezembro do ano passado não foram boas. O número de consultas à entidade caiu 6,9% se comprado com igual período de 2001. No entanto, o percentual de consumidores que ingressaram na lista negra do SPC também caiu 40%. Apenas 13,7% dos consumidores conseguiram “limpar seus nomes”.
No acumulado do ano de 2002, o percentual de pessoas que ingressaram no rol dos maus pagadores caiu 30,4%. O percentual de pessoas que conseguiram retirar seus nomes do SPC aumentou em 20,6%.

Sofismas
O presidente do PT, José Genoino, e a ativista que o brindou com uma “tortada” em Porto Alegre têm pelo menos algo em comum. Para ambos, a perspectiva de direitos adquiridos é algo muito relativo. Para Genoino, quando se trata de direitos previdenciários. Para a manifestante, quando se trata da representatividade de Lula em Davos para falar pelo FSM.

Ceticismo
A parte mais comentada, em Porto Alegre, do discurso de Lula em Davos foi a que ele disse aos financistas que eles “perceberiam que os dois fóruns têm muita coisa em comum”. Para organizadores e participantes do FSM, a “interlocução” com Davos é inviável. Francisco Whitaker, do comitê organizador do Fórum Social Mundial (FSM), acha improvável “que o FSM se apresente diante dos senhores do capital financeiro como bloco monolítico e com discurso afinado”. Ele salienta que o fórum não é uma instituição: “Não há como designar quem vai a Davos falar por nós.” Entre os participantes a frase mais citada era: “Falar o quê com eles? Nossos objetivos são antagônicos.”

Filiação
O sociólogo francês Jean Ziegler, relator das Nações Unidas para o combate a fome, afirmou que a Internacional Socialista poderia ser presidida pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva De acordo com ele, bastaria o PT se associar à entidade. O francês faz parte do bureau executivo da IS. Segundo ele, o PT já foi convidado. Perguntado sobre a situação de Brizola, do PDT, único partido brasileiro filiado à Internacional, desconversou.

Terrorismo
A Casa Cuba, novidade da terceira edição do FSM, mostrou uma exposição com documentos e fotos de atentados à bomba contra círculos infantis, ataques bacteriológicos e outras ações do tipo sofridas pela ilha. O principal objetivo é denunciar a prisão nos Estados Unidos, segundo os cubanos por motivos políticos, de Gerardo Nordelo, Antonio Rodriguez, Ramon Salazar, René González e Fernando González. Os cinco estão presos há cerca de cinco anos, acusados de espionagem e conspiração. Julgados em Miami, foram sentenciados em dezembro de 2001 a penas que variam de 15 anos a prisão perpétua.
Irma Gonzalez, filha de René Gonzalez, afirmou que 3 mil cubanos já teriam sido mortos, vítimas de atentados planejados e executados por organizações sediadas em Miami. Ela afirmou que seu pai investigaria organizações terroristas com bases nos EUA.

Queda
Ao fazer circular a previsão de que o PT mudaria a política econômica em março, esta coluna, obviamente, não estava prevendo a queda, literal, do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, em Davos, ainda este mês.

Artigo anteriorDesmonte
Próximo artigoPrimeiro Mundo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.

EUA: expectativa por novos estímulos fiscais traz bom humor

Futuros dos índices de NY estão subindo, mesmo após terem atingidos novos recordes históricos no fechamento do pregão anterior.

Ajustando as expectativas

Bovespa andou na quarta-feira na contramão dos principais mercados da Europa e também dos EUA.

Sudeste produz 87,5% dos cafés do Brasil em 2020

Com mais de 55 milhões de sacas a região é a principal responsável pela maior safra brasileira da história.

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.