Centro do Rio ganha a ‘Praça do Cooperativismo’

Largo fica nas esquinas da Rua da Assembleia e da Avenida Presidente Antônio Carlos.

Força potente na economia do Rio de Janeiro, o Cooperativismo conquistou seu espaço na Cidade Maravilhosa. O Largo localizado nas esquinas da Rua da Assembleia e da Avenida Presidente Antônio Carlos, próximo ao Palácio Tiradentes e ao Paço Imperial, agora se chama “Praça do Cooperativismo”. O lugar fica em frente à nova sede do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Rio de Janeiro (OCB/RJ), inaugurada na semana passada.

Fruto do decreto do prefeito Eduardo Paes, publicado no último dia 9, a medida vai deixar o cooperativismo cada vez mais presente na vida dos cariocas, na avaliação do presidente do Sistema OCB/RJ, Vinicius Mesquita. A entidade, por sua vez, pretende adotar o espaço e transformá-lo em um ambiente de lazer totalmente voltado a ações sociais que visem ao bem-estar da sociedade.

“Mais do que mudar o nome, temos projetos que vão envolver o bom uso do local. O cooperativismo tem um viés social muito importante, já que valoriza as pessoas e atua no bem-estar da sociedade. É isso que pretendemos realizar nesse espaço, além, obviamente, de que cuidaremos com muito carinho de cada detalhe da Praça, que será patrimônio de todos”, explicou Mesquita.

Entusiasta da revitalização do Centro do Rio e um dos idealizadores do projeto de transformação da Praça, o superintendente do Sistema OCB/RJ, Abdul Nasser, assinala momentos históricos que fazem o cooperativismo merecer essa oportunidade de ter um local com nome e características que o identifiquem na cidade.

“O registro mais antigo de uma cooperativa brasileira que se pode verificar em documentos oficiais é datado de 26 de abril de 1876, no Decreto nº 6186, assinado pela Princesa Isabel no gabinete do Paço Imperial. Portanto, a relação do Rio de Janeiro, e mais especificamente daquela região, com o cooperativismo brasileiro é antiga e merece ser eternizada”, explicou.

O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Rio de Janeiro (OCB/RJ) é a entidade que atua na representação institucional do cooperativismo no estado do Rio de Janeiro com foco na criação de políticas públicas de fomento ao setor.

Já o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Rio de Janeiro (Sescoop/RJ) tem a finalidade de promover a autogestão e difundir a cultura cooperativista. Criado em 1999, a entidade integra o Sistema S brasileiro e acompanha de perto as cooperativas fluminenses, oferecendo soluções para a sustentabilidade do negócio, bem como formação profissional, promoção social e serviços aos cooperados e colaboradores.

Juntas, as instituições compõem o Sistema OCB/RJ.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Carga de energia aumentou 2,2% em abril ante 2021

ONS: Subsistema Sudeste/Centro-Oeste registra variação positiva de 4,8%.

Conab aponta para safra de café em 53,4 milhões de sacas

Nos quatro primeiros meses, país já exportou 14,1 milhões de sacas de 60 kg; volume é 10,8% menor que o exportado em igual período de 2021.

Ações judiciais em todo o país contra a privatização da Eletrobras

Questionados impactos tarifários, transparência e contratos de concessão

Últimas Notícias

Itália é o segundo país europeu que mais vende alimentos ao Brasil

Portugal lidera ranking; Brasil também tem nichos de mercado para alimentos da Jordânia.

Cana: safra começa com qualidade e produtividade inferiores à anterior

Indicadores de qualidade e produtividade em abril são negativos, mas clima pode contribuir para a recuperação.

Ford anuncia venda da fábrica de Taubaté

No ano passado, montadora anunciou o fim de suas atividades no país.

Títulos chineses detidos por instituições estrangeiras diminuem

Instituições estrangeiras diminuíram suas participações em títulos interbancários chineses, segundo um relatório divulgado pela sede do Banco Popular da China em Shanghai.

Operações financeiras de Shanghai estão estáveis apesar da epidemia

O centro financeiro da China, Shanghai, conseguiu manter suas operações financeiras estáveis apesar do recente ressurgimento da COVID-19.