Cesta básica aumentou, no mínimo, 0,50%, em Salvador

113

A ração essencial mínima definida pelo Decreto-lei 399, de 30 de abril de 1938, que estabelece 12 produtos alimentares (feijão, arroz, farinha de mandioca, pão, carne, leite, açúcar, banana, óleo, manteiga, tomate e café) e suas respectivas quantidades, sofreu aumento, em maio de 2016, em três municípios baianos, e redução em um município. A pesquisa foi realizada pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais (SEI), pela Uesc (Ilhéus e Itabuna) e Uesb (Vitória da Conquista).
Em Salvador, a cesta passou a custar R$ 309,46 em maio de 2016, representando um acréscimo de 0,50% quando comparado com o mês de abril de 2016. Entre os produtos que compõem a ração essencial mínima, nove registraram variações positivas: banana prata (9,70%), feijão rajado (6,21%), farinha de mandioca (2,31%), leite pasteurizado (2,15%), café moído (1,42%), manteiga (0,74%), pão francês (0,55%), açúcar cristal (0,40%) e óleo de soja (0,51%). Um item não apresentou variação: arroz (0,00%). Por sua vez, dois registraram variações negativas: tomate (7,71%) e carne de segunda (0,88%).
Já em Ilhéus, o custo da cesta básica passou para R$ 339,36 no mês de maio, representando um aumento de 5,16% quando comparado ao mês anterior. Oito produtos apresentaram aumento de preço: banana (31,16%), feijão (18,02%), tomate (13,08%), manteiga (3,81%), pão (3,45%), café (3,33%), arroz (3,32%) e leite (3,11%). Em contrapartida, os quatro itens restantes, apresentaram redução: carne (7,21%), farinha (3,95%), óleo (1,01%) e açúcar (0,65%).
Itabuna, que sofreu um aumento de 5,05% em relação ao mês de abril, teve em maio uma cesta básica com custo de R$ 323,50. Dos 12 itens que compõem a cesta básica, a banana registrou o maior aumento de preço (36,52%), seguido por feijão (21,11%), manteiga (11,09%), arroz (5,29%), café (3,93%), leite (0,34%). O tomate foi o item que apresentou maior queda de preço (7%), seguido por açúcar (2,26%), pão (1,93%), óleo (1,81%), carne (1,67%) e farinha (1,64%).
Em Vitória da Conquista, houve redução no preço da cesta de 1,57%, passando a custar R$ 302,82 no mês de maio. Dos produtos que compõem a ração essencial mínima, cinco registraram variações positivas: café moído (0,13), feijão (6,68), leite pasteurizado (1,93), manteiga (6,51) e óleo (0,38). Por sua vez, sete produtos registraram variação negativa: açúcar (-0,65), arroz (-0,45), banana prata (-7,74), carne bovina (-0,62), farinha de mandioca (-0,38), pão francês (-0,73) e tomate (-12,21).
Em Salvador, o tempo de trabalho necessário para se obter a cesta básica de Salvador foi de 91 horas e 44 minutos, e o trabalhador comprometeu 38,22% do salário mínimo líquido (de R$ 809,60 – descontando-se 8% de contribuição previdenciária do salário bruto de R$ 880) para adquirir os 12 produtos da cesta. Já em Itabuna o tempo de trabalho despendido para se obter a cesta básica foi de 80 horas e 53 minutos, comprometendo 39,96% do salário mínimo líquido. O trabalho despendido para se obter a cesta básica, em ilhéus, foi de 84 horas e 52 minutos, um comprometimento de 41,92% da cesta básica líquida. E em vitória da conquista o tempo de trabalho necessário para se obter a cesta básica foi de 89 horas e 46 minutos, e o trabalhador comprometeu 37,40% do salário mínimo líquido.

Espaço Publicitáriocnseg

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui