China avança no Oriente Médio após aproximação com Opep

Para professor, estratégia é mais ampla: além do preço, envolve ocupar o vazio diplomático deixado pelos EUA na região.

Internacional / 14:21 - 22 de mai de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A China e a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) publicaram na última quarta-feira comunicado conjunto comprometendo-se a trabalhar em parceria para a estabilização dos preços internacionais do petróleo. Segunda maior economia do mundo, a China já assumiu a liderança global no consumo da commodity, mas o papel de potência negociadora com a Opep tradicionalmente foi assumido pelos EUA, desde a fundação da organização. Além do simbolismo do comunicado conjunto, o conteúdo da declaração foi explicitamente favorável a Pequim na conjuntura da Covid-19. Mohammad Barkindo, secretário-geral da Opep, classificou os chineses de "exemplo ao resto do mundo" no combate à pandemia.

"Declarações como esta do secretário-geral da Opep mostram que a aproximação tem iniciativa tanto dos integrantes do bloco quanto dos chineses. A diminuição da importação de petróleo por americanos e europeus, a liderança da China na importação da commodity e as dificuldades regionais causadas pelo coronavírus são os principais alicerces dessa aproximação", afirma Gunther Rudzit, professor de Relações Internacionais da Escola Superior de Propaganda e Marketing, de São Paulo (ESPM-SP).

Além dos fatores circunstanciais que reuniram os membros da Opep e a China, há um movimento mais amplo da potência asiática na aproximação.

"A preocupação primordial é a garantia do fornecimento de petróleo, mas também há o fator de preenchimento de uma ausência americana. Em termos geopolíticos, os movimentos chineses simbolizam um forte avanço sobre regiões que tradicionalmente estiveram nas áreas de influência dos EUA nas últimas décadas", afirma.

As conversas dos EUA com os países da Opep têm se tornado mais escassas e dirigidas essencialmente para responder a demandas internas, segundo Rudzit. "As negociações dos EUA com a Opep em 2020 foram pontuais, e focadas especificamente na sustentação do preço em patamares aceitáveis para os fornecedores domésticos americanos. A estratégia da China é mais ampla, pois além da questão do preço, envolve ocupar o vácuo diplomático deixado pelos americanos no Oriente Médio e na relação bilateral com cada um dos membros da Opep."

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor