China: comércio exterior ultrapassa US$ 6 tri

Aumento de US$ 1,4 trilhão em relação ao ano anterior.

O comércio exterior da China subiu mais um degrau em 2021, ultrapassando US$ 6 trilhões pela primeira vez, apesar da pandemia de Covid-19 continuar pesando no comércio global, mostraram dados oficiais na sexta-feira. O comércio total de mercadorias US$ 6,05 trilhões, aumento de US$ 1,4 trilhão em relação ao ano anterior, segundo a Administração Geral de Alfândegas (GAC).

O volume de comércio em termos de iuanes aumentou 21,4% ano a ano, para 39,1 trilhões de iuanes, com exportações subindo 21,2%, para 21,73 trilhões de iuanes, e importações, 21,5%, para 17,37 trilhões de iuanes.

“A China tem estado na vanguarda do desenvolvimento econômico e da resposta à pandemia em todo o mundo, mantendo um rápido crescimento no comércio exterior, que registrou um recorde em volume e um progresso constante em qualidade” disse o porta-voz da AGA, Li Kuiwen.

O país registrou um crescimento constante do comércio com todos os seus cinco maiores parceiros comerciais.

As importações e exportações da China com a Asean, a União Europeia, e os Estados Unidos aumentaram 19,7%, 19,1% e 20,2%, respectivamente, enquanto seus comércios com o Japão e a República da Coreia subiram 9,4% e 18,4%.

Ao mesmo tempo, o comércio do país com as economias envolvidas na Iniciativa do Cinturão e Rota registrou aumento de 23,6%, um ritmo acima da média.

Em 2021, as compras da China de produtos intermediários e de consumo no exterior aumentaram 24,9% e 9,9%, respectivamente, em relação a um ano atrás em 2021, mostram os dados do GAC. As importações do país representaram 12,1% do total mundial nos três primeiros trimestres de 2021, um aumento de 0,5 ponto percentual em relação ao ano anterior. “A abertura mais ampla da China permitiu que o mundo desfrutasse de mais dividendos de seu crescimento econômico e consumo próspero”, disse Li Kuiwen. O país se tornou o segundo maior importador do mundo em 2009.

Os dados de sexta-feira também aumentaram a evidência de uma economia chinesa resiliente e tranquilizaram os investidores e observadores globais de que o país continua sendo um poderoso motor de crescimento e desenvolvimento global.

As exportações dinâmicas tornaram-se um pilar da economia da China, disse Zhang Zhiwei, economista-chefe da Pinpoint Asset Management. O comércio exterior da China atingiu a marca de US$ 4 trilhões em 2013 e ultrapassou US$ 5 trilhões e US$ 6 trilhões de uma só vez em 2021. O incremento comercial no ano passado equivale ao volume total em 2005.

Graças ao comércio dinâmico, esperava-se que a economia chinesa terminasse 2021 com uma nota forte e começaria bem este ano. Em suas últimas previsões, o Banco Mundial colocou o crescimento real do PIB da China para 2021 em cerca de 8%, moderando levemente em 2022 para 5,1% ainda sólidos.

“As exportações do país permanecerão fortes no primeiro trimestre deste ano, pois a demanda global permanece robusta e a pandemia piora em muitos países em desenvolvimento”, disse Zhang.

O Bureau Nacional de Estatísticas divulgará na segunda-feira uma série de indicadores econômicos para 2021, incluindo o PIB do país, produção industrial, investimento em ativos fixos e vendas no varejo.

Apesar de um 2021 satisfatório, Li destacou que o comércio exterior da China enfrentará crescente incerteza e instabilidade este ano, pois a pandemia continua grave em todo o mundo e a recuperação da demanda global está desacelerando.

“Dadas essas dificuldades e desafios, devemos reconhecer que a economia da China é resiliente e seus sólidos fundamentos de longo prazo permanecerão inalterados, disse Li Kuiwen, expressando confiança inabalável na estabilização do comércio exterior.

O governo chinês divulgou novas diretrizes na terça-feira para aliviar as pressões sobre as empresas de comércio exterior e manter as exportações e importações estáveis. As diretrizes detalham medidas, incluindo apoio fiscal e financeiro para empresas de comércio exterior, incentivos para novas formas de negócios e esforços para aliviar os riscos da cadeia de suprimentos e aumentar ainda mais a liberalização e facilitação do comércio.

Também uma boa notícia para os esforços da China para manter o crescimento do comércio, o acordo Regional Comprehensive Economic Partnership (RCEP), assinado por 15 países da Ásia-Pacífico, incluindo a China, entrou em vigor em 1º de janeiro, criando o maior bloco comercial do mundo.

As importações e exportações da China com os outros 14 membros da RCEP combinadas aumentaram 19,1% ano a ano, para 12,07 trilhões de iuanes em 2021, representando 30,9% do comércio exterior total do país.

Com Xinhua

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Diesel: novo reajuste pode afetar preço do frete

Já gasolina subiu 1% e fechou quinzena a R$ 7,599; valor médio do combustível no Brasil foi de R$ 7,599 nos primeiros 15 dias de maio.

Mais de um terço das famílias relata queda da renda mensal

Estudo destaca comportamento das pessoas sobre gastos e dívidas no primeiro trimestre; mais impactados são famílias de menor renda.

Saques extraordinários já somam 20% do patrimônio do FGTS

Para deputado, 'a nobreza do gasto não justifica o desvio do seu uso'.

Últimas Notícias

STJ decide se plano deve restituir o que não consta no rol da ANS

No início do julgamento sobre o caso, ministro Luis Felipe Salomão já havia se posicionado nesse sentido.

Proteste: PL prejudica consumidor de menor poder aquisitivo

Entidade pede veto a pontos de PL que inviabiliza pagamento por aproximação no Rio; em SP, Fecomércio encaminha sugestões sobre segurança.

Diesel: novo reajuste pode afetar preço do frete

Já gasolina subiu 1% e fechou quinzena a R$ 7,599; valor médio do combustível no Brasil foi de R$ 7,599 nos primeiros 15 dias de maio.

SP é o segundo estado com maior potência de energia solar em telhados

Geração própria de energia solar no Rio ultrapassa 49,8 mil conexões em telhados e pequenos terrenos.

Mais de um terço das famílias relata queda da renda mensal

Estudo destaca comportamento das pessoas sobre gastos e dívidas no primeiro trimestre; mais impactados são famílias de menor renda.