China é crucial na recuperação global pós-Covid

“A China hoje é a mais vibrante economia grande do mundo em um momento em que a economia global vem passando por uma contração” e quando outros jogadores de peso, como Estados Unidos, Japão e Índia, sofreram um grande golpe, disse em uma entrevista recente à agência Xinhua Sudheendra Kulkarni, ex-presidente do think tank Observer Research Foundation, com sede em Mumbai.

Na opinião do especialista indiano em políticas públicas, a China tem a maior recuperação econômica no mundo ante os efeitos da pandemia, e está absolutamente claro que o país é crucial para a recuperação econômica global.

No ano passado o país teve crescimento de 6,5% no produto interno bruto (PIB) no quarto trimestre e um aumento anual de 2,3%. Kulkarni disse que um marco importante atestado para a conquista da segunda maior economia mundial é que seu PIB ultrapassou os 100 trilhões de iuanes (US$ 15,42 trilhões) em 2020.

Kulkarni também observou que outro marco para a vizinha ao norte da Índia foi a erradicação completa da pobreza extrema, já que nos últimos oito anos o país retirou da pobreza quase 100 milhões de residentes rurais pobres que viviam abaixo da linha de pobreza atual. “Essas são conquistas históricas, que trazem grandes lições para o resto do mundo e, portanto, a China está mostrando seu caminho de desenvolvimento para o resto do mundo de duas maneiras”, ressaltou.

 

Tecnologia

 

Um dos aspectos do caminho de desenvolvimento da China é uma economia impulsionada por alta tecnologia e o outro é também uma economia que é “guiada pela alta qualidade do crescimento, não apenas quantidade, mas também alta qualidade que resulta na melhoria das condições de vida da população”, acrescentou Kulkarni.

“A pandemia Covid-19 foi um grande golpe para as economias do mundo, e há uma lição que devemos tirar da pandemia. É que todos os países devem cooperar em vez de se afastar”, disse ele.

Ele pediu que a China, os EUA e outras economias, como a União Europeia, Japão e Índia, cooperem entre si para reformar a ordem econômica global.

“Existem algumas pessoas, especialmente no Ocidente, que têm falado em desacoplamento das economias americana e chinesa. Isso não vai funcionar. Na verdade, será contraproducente para os EUA e outros países do mundo”, disse o especialista.

Kulkarni observou que a China emergiu como o maior parceiro comercial da Índia e que recentemente a China concluiu as negociações de um acordo de investimento com a União Europeia, o que mostra o papel crucial da China na economia global. Portanto, disse ele, os EUA e a China devem caminhar na direção de uma maior cooperação.

Leia mais:

BNDES financia dois parques eólicos no RN

BC amplia limite mínimo para transações via PIX

 

Artigos Relacionados

BC: Open banking significa oportunidades ilimitadas

Uma característica notável do momento atual é a velocidade das mudanças tecnológicas e o seu impacto no sistema financeiro. A frase é do presidente...

Oferta secundária das debêntures da Vale já tem preço

A Vale informou ao mercado nesta terça-feira que recebeu comunicado do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) sobre precificação da oferta secundária...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Jornalista agora pode ser MEI

Senado tentou incluir corretor de imóveis, publicitários e produtores culturais no projeto.

STF determina reintegração de excluídos do Bolsa Família

Ministro Marco Aurélio avaliou que Governo Federal estava descumprindo determinação.

Preços dos medicamentos voltam a subir em março

Segundo levantamento, resultado reflete agravamento da pandemia, colapso das unidades de saúde e depreciação cambial.

Planos devem autorizar exame de Covid de forma imediata

Antes da determinação da ANS, os planos podiam demorar até três dias úteis para garantir o atendimento ao pedido.

Cresce demanda árabe por café verde e solúvel do Brasil

No primeiro trimestre deste ano, país exportou 37% mais café à região; além dos grãos verdes, crus, países têm demandado mais produto solúvel.