China foi o principal destino do petróleo fluminense no semestre

Segundo Firjan, no período as importações do Rio cresceram 68%, com destaque para as aquisições de bens industriais.

Rio de Janeiro / 12:09 - 8 de set de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Mesmo apresentando déficit na balança comercial de US$ 1,9 bilhão em decorrência dos efeitos da pandemia, o estado do Rio de Janeiro manteve, no primeiro semestre de 2020, o segundo lugar em participação no comércio exterior do Brasil, representando 14% do total nacional, ficando atrás apenas de São Paulo. Dados do boletim Rio Exporta, publicado pela Firjan Internacional, revelaram ainda que o estado fluminense teve corrente de comércio de US$ 25,7 bilhões, crescimento de 15% frente ao mesmo período de 2019.

"A balança comercial fluminense registrou US$ 11,9 bilhões em exportações e US$ 13,8 bilhões em importações, números que refletem a complexidade do momento atual, pois os estágios da crise não ocorrem em todos os países e em todos os continentes ao mesmo tempo, e isso se reflete nos resultados do relacionamento comercial com os principais parceiros comerciais do Rio", afirma Giorgio Luigi Rossi, coordenador da Firjan Internacional.

"Outro dado interessante se refere ao petróleo fluminense. Apesar da queda de 23% nas vendas, a China permaneceu como principal destino das exportações, com participação de 58%. Com a retomada da produção industrial e do consumo nos países asiáticos, vislumbra-se a possibilidade de recomposição parcial de tais quedas nos embarques de petróleo", acrescenta Rossi.

Acerca do comércio exclusive petróleo, as exportações do Rio decresceram 33% (US$ 3,2 bilhões). As exportações para a China (US$ 218 milhões) cresceram 51%, ressaltando os embarques de polímeros de etileno, propileno e estireno. O Nafta (US$ 1,6 bilhão) permaneceu como principal destino das exportações fluminenses, apesar da queda de 28% nos embarques para os EUA. Já nas importações exclusive petróleo, o Rio teve aumento de 82% (US$ 13,1 bilhões), principalmente pelas maiores compras dos EUA, Japão e Noruega.

As exportações do Rio recuaram 16%, reflexo da queda de 8% nas vendas de produtos básicos (US$ 8,8 bilhões), que representaram 74% do total exportado. A tendência permaneceu nos produtos industrializados (US$ 3,1 bilhões) com redução de 33% nos embarques, consequência das menores vendas da indústria de metalurgia e de outros equipamentos de transporte. As vendas de torneiras e válvulas aumentaram 114%, impulsionando as exportações do setor de máquinas e equipamentos (US$ 188 milhões).

Em contrapartida, as importações cresceram 68%, consequência do aumento de 109% nas aquisições de bens industriais (US$ 12 bilhões), com avanço tanto nas compras de bens de capital quanto de bens intermediários. Os itens que se destacaram no semestre foram: tubos flexíveis de ferro ou aço (aumento de 132%); torneiras e válvulas e dispositivos semelhantes (aumento de 298%), grupo onde estão os produtos essenciais de combate ao novo coronavírus; e máquinas e aparelhos para terraplanagem e perfuração (acima de 1.000% de aumento).

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor