China rebate declaração do G7 sobre Taiwan

'Independência da China e de outros países foram conquistadas por meio de batalhas sangrentas'

O conselheiro de Estado chinês e ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, refutou, nesta quinta-feira, declaração relacionada a Taiwan feita pelos ministros das Relações Exteriores do Grupo dos Sete (G7) no dia anterior.

“Os meandros da atual tensão sobre o Estreito de Taiwan são claros como cristal, assim como os acertos e erros. Foram os Estados Unidos que começaram o problema, criaram a crise e aumentaram continuamente as tensões”, disse Wang à margem de reuniões de ministros das Relações Exteriores sobre cooperação no Leste Asiático.

Os ministros das Relações Exteriores do G7 (grupo que reúne Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido, Estados Unidos, além da União Europeia) divulgou nota afirmando estarem preocupados “com as recentes e anunciadas ações ameaçadoras da República Popular da China (RPC), particularmente exercícios de tiro real e coerção econômica, que correm o risco de uma escalada desnecessária”.

Apesar de reiterarem o compromisso “de manter a paz e a estabilidade em todo o Estreito de Taiwan”, os ministros do G7 insistiram em apelar à RPC para “não alterar unilateralmente o status quo pela força na região e para resolver as diferenças através do Estreito por meios pacíficos”.

“A provocação flagrante dos Estados Unidos abriu um precedente. Se não for corrigida e combatida, o princípio da não ingerência nos assuntos internos ainda existirá? A lei internacional ainda será mantida? Como salvaguardar a paz regional?”, questionou Wang Yi, enfatizando que a declaração do G7 distorce os fatos e confunde o certo e o errado.

Wang disse que a soberania e a independência da China e de outros países foram conquistadas por meio de batalhas sangrentas travadas pelo povo e nunca devem ser violadas novamente. “A China de hoje não é mais a China do século 19, e a história não deve e não vai se repetir”, ressaltou.

Leia também:

China realizará operação militar em torno de Taiwan

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Bancos chineses: mais empréstimos para empresas privadas

No final de junho aumento de 11,4% em relação ao ano anterior

‘Meu cartão de crédito é uma navalha’

Preços, juros e desemprego altos e queda do poder de compra causam o uso da modalidade crédito.

Cerveja: consumo fora do lar se aproxima de níveis pré-pandemia

Bebedores cresceram 3 milhões em relação à pré-pandemia; venda de vinhos passou de 383 milhões de litros, em 2019, para 501,1 milhões, em 2020.

Últimas Notícias

Armazém Cultural: Câmara debate veto do prefeito do Rio

.Comissão de Justiça e Redação recomenda rejeição ao veto

Plataformas da Bacia de Campos tem hotéis flutuantes

Petrobras estuda investir US$ 220 milhões até 2023

Ações do setor de saúde puxam Ibovespa

Destaque também para Petrobras, que celebrou novo aditivo ao contrato de compra de gás natural com a YPFB

Governo de MG conclui leilão de 627,4 km de rodovias

Investimentos de R$ 3,2 bi, sendo R$ 1,4 bi nos oito primeiros anos da concessão

Bancos chineses: mais empréstimos para empresas privadas

No final de junho aumento de 11,4% em relação ao ano anterior