China toma medida para lidar com a inadimplência da Evergrande

Um passo crucial foi dado para abordar a recente inadimplência da incorporadora imobiliária China Evergrande Group, depois que o governo provincial de Guangdong realizou uma conversa regulatória com seu presidente e concordou em enviar um grupo de trabalho à empresa.

Foto aérea tirada em 3 de maio de 2021 mostra o parque Wanlyuyuan e edifícios altos em Haikou, capital da Província de Hainan, no sul da China. (Xinhua/Pu Xiaoxu)

Xinhua - Silk Road

Beijing, 6 dez (Xinhua) — Um passo crucial foi dado para abordar a recente inadimplência da incorporadora imobiliária China Evergrande Group, depois que o governo provincial de Guangdong realizou uma conversa regulatória com seu presidente e concordou em enviar um grupo de trabalho à empresa.

Os arranjos de resolução de riscos são conducentes a uma revisão abrangente da escala da dívida da Evergrande e à neutralização de riscos, reduzindo as incertezas enfrentadas pelas empresas a montante e a jusante e pelas empresas imobiliárias relacionadas, protegendo os direitos e interesses legítimos de todas as partes e mantendo a estabilidade social, informaram os analistas.

O governo provincial de Guangdong, no sul da China, realizou uma conversa regulatória na noite de sexta-feira com Xu Jiayin, presidente do China Evergrande Group, e concordou em enviar um grupo de trabalho à incorporadora, a seu pedido, após que a empresa apresentou um arquivo à Bolsa de Valores de Hong Kong, informando que talvez ela não possa continuar a cumprir suas obrigações financeiras.

Posteriormente, as autoridades regulatórias da China divulgaram várias declarações em resposta à inadimplência da Evergrande, dizendo que é um caso individual e terá pouco impacto no mercado.

Elas atribuíram o risco da Evergrande a sua má gestão e expansão cega em várias direções, observando que a maioria das empresas imobiliárias na China estão se concentrando e gerenciando de maneira adequada suas principais linhas de negócios.

De modo geral, o mercado imobiliário da China tem mantido um desenvolvimento sólido e os canais de financiamento para as empresas imobiliárias no mercado de títulos continuam a operar de maneira suave e ordenada, de acordo com os reguladores.

“Atualmente, o mercado acionário da parte continental da China permanece estável, resiliente e ativo”, disse a Comissão Reguladora de Valores da China (CSRC, sigla em inglês), enfatizando que o potencial efeito dos riscos da Evergrande sobre a estabilidade dos mercados de capitais chineses está sob controle.

A constante recuperação e a sustentada resiliência da economia chinesa, juntamente com os esforços para garantir a segurança do sistema financeiro do país, também criarão uma base sólida para enfrentar os riscos financeiros causados por um caso individual.

Segundo a CSRC, os reguladores continuarão a manter a função efetiva de captação de recursos do mercado de bônus conversíveis, apoiar as necessidades regulares de financiamento das empresas privadas, especialmente as companhias imobiliárias privadas afetadas por recentes eventos de risco, bem como garantir canais tranquilos para o financiamento via bônus.

Algumas empresas imobiliárias privadas começaram a emissão de bônus corporativos e instrumentos de dívida titularizada, de acordo com o regulador de valores mobiliários.

Os riscos causados por uma determinada companhia imobiliária individualmente a curto prazo não prejudicarão a função de captação de recursos do mercado a médio e longo prazo”, disse o Banco Popular da China, o banco central, em seu comunicado divulgado sexta-feira.

Atualmente, o governo provincial de Guangdong, outros governos locais e agências relevantes estão orientando e instando o Evergrande Group e suas afiliadas a resolverem os riscos de forma constante e ordenada, em conformidade com as leis e regulamentos, além de retomar proativamente e concluir a construção de moradias para entrega aos compradores.

“A participação legal do governo ajudará a controlar efetivamente os riscos e as perdas e reduzir as incertezas no processo de resolução de riscos”, disse Liu Hongyu, professor da Universidade Tsinghua.

Liu espera que a resolução de riscos pelo grupo de trabalho e departamentos relacionados esteja de acordo com a lei e os princípios de mercado e siga as práticas internacionais para lidar com os interesses dos compradores de imóveis e todos os investidores de maneira aberta, transparente e justa.

Leia também:

Relatório do CICC sugere setores valiosos aos investidores

Xinhua Silk Road
Agência de notícias oficial do governo da República Popular da China.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Azul mantém Norte Fluminense e Gol vai montar hub na Bahia

Companhia aérea recebeu incentivos fiscais do governo baiano.

Mais navios deixam a Ucrânia com 58 mil t de milho

Três navios foram autorizados a sair com grão da Ucrânia.

Assistência médica totalizou 49,8 milhões de beneficiários em junho

Planos exclusivamente odontológicos registraram 29.9 milhões de usuários; dados são da ANS.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.