CHINA

Embraco quer dobrar a produção
Empresa volta a investir para produzir 4,6 milhões de compressores
Após três anos a Embraco volta a investir este ano na China, para dobrar a produção de compressores, dos atuais 2,3 milhões ao ano para 4,6 milhões ao ano, até o fim de 2006. A informação é do presidente da empresa, Ernesto Heinzelmann, sem revelar o valor do investimento, já que opera na China em parceira com a Snow Flake, empresa que tem participação do governo chinês.
Com o aumento da produção, a China passará a ser responsável por 4,5% da fabricação anual de compressores pela Embraco. A empresa, que está na China há dez anos, já tem 10% de participação no mercado do país asiático. Por conta da realização dos Jogos Olímpicos na capital, Pequim, a Embraco teve de deixar a região central da cidade e agora transfere suas operações para uma área próxima ao aeroporto.
Em apresentação no seminário internacional “Global Players From Emerging Markets: Brazil”, o presidente da Embraco disse que a direção teve de tomar medidas muito duras em relação às operações na Itália. Segundo Heinzelmann, as operações na fábrica italiana estão sendo reduzidas e transferidas para a Eslováquia, onde a Embraco tem uma fábrica com capacidade para produzir quatro milhões de compressores ao ano.
Ele explicou que a produção na Itália cairá para 1,8 milhão de unidades ao ano, um nível bastante baixo, mas que a unidade não será fechada, já que, no país europeu, é “muito difícil fechar uma fábrica”. Ao explicar os desafios que a Embraco enfrentou na Itália, Heinzelmann destacou a força dos sindicatos e os altos custos de produção.
Segundo ele, a busca de tecnologia foi o principal fator que levou a Embraco a se internacionalizar. Lembrou ainda que uma das maiores dificuldades para se abrir uma empresa no exterior é conseguir levar executivos do país de origem para trabalhar fora. “É preciso criar condições legais para levar os executivos aos outros países”, finalizou.

Artigo anteriorFaçam seu jogo
Próximo artigoSoluço ou estouro?
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.