Chocolate

Anfitrião das cúpulas do PSDB e do PFL, que vieram ao Rio acompanhar o candidato da coligação à Presidência, Geraldo Alckmin, no lançamento do plano de governo, o prefeito do Rio, Cesar Maia, centrou fogo nos escândalos envolvendo o partido do presidente da República. “Lula pisa no mar de lama e pensa que é chocolate. Mesmo sendo um idiota, no caso realmente de não saber de nada, o presidente é culpado por omissão ao autorizar operações das quais não precisa ser informado”, disse.

Orgulho
Pefelista de carteirinha, Maia apelou ao passado progressista do Rio ao praticamente defender o impeachmant do presidente Lula. “Se a capital continuasse no Rio, esse governo cairia”, afirmou o prefeito, acrescentando que “o Palácio do Planalto se orgulha de seus delinqüentes.”

Lacerdismo
A cada dia os irmãos univitelinos PT e PSDB ficam mais iguais. Menos de um mês depois de FH, em seus delírios saudosistas do moralismo udenista, manifestar seu desejo de ver Lacerda ressuscitar, o PT exibiu o seu Lacerda: Hamilton Lacerda, afastado do comando da campanha do senador Aloizio Mercadante ao Governo de São Paulo.

Informação concentrada
Apenas cerca de 20 empresas controlam aproximadamente metade de todos os veículos de comunicação nos Estados Unidos, bem como suas filiais em outros países. O levantamento, que faz parte do estudo O monopólio da mídia, de Ben Bagdikian, significa que essas duas dezenas de companhias controlam a produção de agências de notícias, jornais, revistas, livros, filmes, programas de rádio e televisão, além da indústria musical e digital.
Os dados são citados pela jornalista Maria Luisa Mendonça, da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos, em artigo no jornal eletrônico América Latina em Movimento (www.alainet.org/active/12869&lang=pt) no qual salienta que pensadores como Noam Chomsky e Edward Herman consideram o monopólio privado dos meios de comunicação como um dos principais “filtros” de um modelo de comunicação que, desde a II Guerra Mundial, se constituiu num sofisticado meio de propaganda dos interesses militares norte-americanos.

Donos da agenda
Maria Luisa salienta que Bagdikian argumenta que aquelas empresas constituem um “Ministério Privado de Informação e Cultura”: “Corporações de outra natureza (bancos, empresas bélicas etc.) têm controle acionário de grandes veículos de comunicação. Por exemplo, a General Electric (que produz desde lâmpadas até material bélico e nuclear) controla a RCA e a rede de TV NBC; o Wall Street Journal (que estabelece a agenda do noticiário econômico mundial) é controlado pela Dow Jones”, destaca a jornalista, para destacar que esse poderoso monopólio explica a apatia da opinião pública diante da maioria das guerras em que os Estados Unidos e seus aliados, como Israel, se envolvem, “mesmo diante de evidentes crimes de guerra”.

Informática
A Light assina nesta quinta contrato de patrocínio ao Comitê para Democratização da Informática (CDI-RJ). O diretor-presidente da empresa, José Luiz Alquéres, e o diretor-geral da ONG, Rodrigo Baggio, detalharão como serão investidos os recursos.

Neoprotecionismo
A importância do papel da OMC no comércio do Século XXI, subsídios à agricultura, neoprotecionismo e a dinâmica no setor de serviços e propriedade intelectual serão alguns dos temas do 2º Fórum Público da Organização Mundial do Comércio (OMC), no início da semana que vem, em Genebra. A economista Josefina Guedes, da Guedes & Pinheiro Consultoria Internacional, participa do evento, junto com acadêmicos, empresários e membros de ONGs.

Churrasco
Pelo menos desta vez o escândalo não vai terminar em pizza.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorContingenciamento
Próximo artigoUma semana a mais

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Copom elevou taxa de juros em 1% para 6,25% ao ano

Aguardamos agora a ata que será divulgada na próxima terça-feira para maiores informações sobre a trajetória da taxa Selic.

Alemanha escolhe sucessor de Merkel no próximo domingo

Eleições deverão ser as mais concorridas dos últimos anos; pesquisas indicam vitória do SPD, social-democrata.

Reajuste salarial fica abaixo da inflação em agosto

Fipe: não houve aumento mediano real como resultado de negociações nos últimos 12 meses; desde setembro, índice tem oscilado de -1,4% a zero.

Clima positivo no exterior deve beneficiar índice Bovespa

Mercado internacional opera no positivo motivado por noticiário sobre Evergrande.

Evergrande, Fed e Copom

Bovespa encerrou o segundo dia de alta com +1,84% e índice em 112.282 pontos, mas na máxima chegou a atingir 113.321 pontos.